Bolsonaro decide recorrer ao plenário do STF contra decisão de Celso de Mello

Auxiliares presidenciais dizem que o agravo deve conter uma “mensagem dura” contra decisões monocráticas que afetam os demais poderes

Por Igor Gadelha, CNN  
11 de setembro de 2020 às 19:06 | Atualizado 11 de setembro de 2020 às 20:51

O presidente Jair Bolsonaro decidiu recorrer ao plenário do Supremo Tribunal Federal contra a decisão do ministro Celso de Mello de proibir depoimento por escrito no inquérito que apura suposta interferência do chefe do Palácio do Planalto na Polícia Federal.

De acordo com auxiliares palacianos muito próximos a Bolsonaro, a decisão foi tomada em reunião do presidente com o advogado-geral da União, José Levi Mello do Amaral Júnior, na tarde desta sexta-feira (11), no Palácio do Planato.

Leia também:

Celso de Mello nega a Bolsonaro possibilidade de depor por escrito à PF

PF decidirá se depoimento de Bolsonaro será pessoalmente ou por vídeo, diz Mello

O instrumento jurídico a ser utilizado deve ser um agravo regimental. Segundo esses auxiliares de Bolsonaro ouvidos pela CNN, a Advocacia-Geral da União (AGU) já está preparando o recurso e pretende apresentá-lo já na próxima semana.

Auxiliares presidenciais dizem que o agravo deve conter uma “mensagem dura” contra decisões monocráticas de ministros de tribunais superiores que afetam os demais poderes. Procurada, a assessoria de imprensa da AGU afirmou que "só falará nos autos".