Governo silencia e avalia temperatura do STF para recurso

A CNN também apurou que o novo presidente do STF, ministro Luiz Fux, tende a levar o eventual recurso de Bolsonaro para o colegiado

Caio Junqueira
Thais Arbex
11 de setembro de 2020 às 18:44 | Atualizado 11 de setembro de 2020 às 19:30

O advogado-geral da União, José Levi Mello, recomendou ao presidente Jair Bolsonaro e aos ministros palacianos que fiquem em silêncio e não reajam verbalmente à decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Celso de Mello de que o presidente seja ouvido pessoalmente no inquérito que investiga se ele interferiu politicamente na Polícia Federal.  

"O governo só vai falar nos autos", disse à CNN um interlocutor direto do presidente Jair Bolsonaro. A reação é completamente oposta a que ocorreu diante de outras decisões de Celso de Mello no mesmo inquérito.

Em 28 de maio, Bolsonaro chegou a dizer "Acabou, porra", mediante um despacho do ministro pedindo a manifestação do Ministério Público sobre o recolhimento do celular presidencial.

Assista e leia também:

Caixa dois de Serra prescreve e PGR pede arquivamento parcial

PF decidirá se depoimento de Bolsonaro será pessoalmente ou por vídeo, diz Mello

Bolsonaro no Palácio do Planalto
Foto: Ueslei Marcelino - 29.abr.2020/Reuters

O núcleo jurídico ainda decide se recorrerá da decisão. A chance é bem grande, ainda mais após o Planalto receber sinais de que o plenário do STF poderá derrubar a decisão de Celso de Mello. Há precedentes para isso.

Michel Temer, por exemplo, foi ouvido por escrito na investigação sobre o inquérito que apurava irregularidades nos portos. O ministro Luís Roberto Barroso foi o autor da decisão na época.

No Supremo Tribunal Federal, a avaliação de uma ala da corte é a de que a decisão do decano foi fora de propósito e há espaço para que ela seja revertida no plenário.

Ministros ouvidos pela CNN citam o fato o precedente no tribunal, quando Barroso, em 2017, autorizou depoimento por escrito de Temer, investigado no chamado Inquérito dos Portos.

A CNN também apurou que o novo presidente do STF, ministro Luiz Fux, tende a levar o eventual recurso de Bolsonaro para o colegiado. Enquanto isso, a avaliação de que o presidente teria espaço para adiar o depoimento até a conclusão do julgamento.