Caixa dois de Serra prescreve e PGR pede arquivamento parcial

Estratégia é fazer com que os autos da investigação saiam de Brasília e sejam devolvidos à primeira instância em São Paulo

Caio Junqueira
Por Caio Junqueira, CNN  
11 de setembro de 2020 às 17:22

Os supostos crimes de caixa 2 contra o senador José Serra referentes às eleições de 2014 prescrevem a partir deste sábado (12).

Para tentar salvar a investigação, a Procuradoria-Geral da República pediu ao Supremo Tribunal Federal que sejam arquivadas as eventuais investigações referentes a ele posteriores a 2015, período em que ele já detinha mandato no Senado.

Assista e leia também:

PGR deve pedir anulação de parte da operação contra Serra

Serra chama operação da PF de 'abusiva' e lamenta 'espetacularização'

PF cumpre mandados em ação que investiga caixa 2 de Serra em campanha eleitoral

Senado barra entrada de PF no gabinete de José Serra

STF recebe reclamação do Senado por ação da PF contra José Serra

Trata-se de uma estratégia para fazer com que os autos da investigação saiam de Brasília e sejam devolvidos à primeira instância em São Paulo e, desse modo, a investigação possa prosseguir com os fatos anteriores a 2015.

Serra é investigado por caixa 2, corrupção e lavagem de dinheiro. A expectativa dos investigadores é que, se os autos voltarem, ele seja denunciado pelo menos pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Há também uma perspectiva de tentar fazer uma interpretação de que o caixa 2 prescreveria em novembro, data em que as prestações de contas foram entregues à Justiça Eleitoral, e não neste mês, datas em que os depósitos teriam sido feitos.

Senador José Serra (PSDB-SP) discursa no plenário
Foto: Moreira Mariz/Agência Senado (15.abr.2015)