Senador do dinheiro na cueca liga para presidente do DEM para se explicar


Igor Gadelha
Por Igor Gadelha, CNN  
16 de outubro de 2020 às 13:20
 

Flagrado pela Polícia Federal com R$ 33 mil em dinheiro vivo escondidos na cueca, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) começou a procurar colegas parlamentares e dirigentes de seu partido.

Nesta quinta-feira (15), ele ligou, por exemplo, para o presidente nacional do DEM e atual prefeito de Salvador, ACM Neto, para “prestar suas informações”. O dirigente, porém, não quis dar detalhes da conversa.

Nesta quinta-feira (15), a legenda entrou com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo ao ministro Luís Roberto Barroso, relator do caso, acesso inquérito contra Rodrigues.

Como a coluna já noticiou, o partido aguarda o acesso aos autos para tomar medidas disciplinares cabíveis contra o senador de Roraima. Dirigentes do DEM não descartam a expulsão do parlamentar.

Leia e assista também

Caberá ao plenário do Senado decidir sobre afastamento de Chico Rodrigues

Conexão CNN: Senadores resistem à decisão de Barroso de afastar Chico Rodrigues

DEM pede acesso a inquérito contra senador que escondeu dinheiro na cueca

Conversa com senadores

Rodrigues também conversou por telefone com alguns colegas de Senado. Segundo relatos de parlamentares, o senador disse que provaria sua inocência, mas não explicou por que escondia o montante.

Alguns parlamentares aconselharam o colega a pedir uma licença do mandato. Rodrigues, porém, não teria demonstrado muita disposição para isso, segundo apurou a coluna. 

Ontem, Barroso mandou afastar o senador do mandato por 90 dias. A decisão será submetida ao plenário do Senado, que terá a palavra final para decidir se mantém ou não esse afastamento.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-RJ), avisou aos líderes partidários que convocará uma reunião no início da próxima semana para discutir como proceder em relação à decisão de Barroso.

A expectativa é de que o caso seja analisado pela Casa já na próxima semana, quando haverá um esforço concentrado de sabatinas e votações presenciais no Senado.