Acordo do Ministério de Saúde com SP sobre Coronavac é de intenção de compra


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
21 de outubro de 2020 às 12:47 | Atualizado 21 de outubro de 2020 às 13:47

 

O Ministério da Saúde formalizou por meio de um ofício enviado na segunda-feira (19) a intenção de comprar a vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo.

O documento foi enviado pelo ministro Eduardo Pazuello a Dimas Covas, diretor-geral do Instituto Butantan. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quarta-feira (21) que já mandou cancelar o ofício em questão. 

"Nesta oportunidade, informo a intenção deste Ministério da Saúde em adquirir 46 milhões de doses da referida vacina (Vacina Butantan - Sinovac/Covid-19), em desenvolvimento pelo Instituto Butantan, ao preço estimado de US$ 10,30 (dez dólares e trinta centavos) por dose, seguindo as especificações da vacina e o respectivo cronograma de entrega", diz o ofício.

Assista e leia também: 
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello testa positivo para Covid-19
Bolsonaro rejeita comprar vacina chinesa sem comprovação científica
Após fala de Bolsonaro, ministério diz não haver previsão de compra da Coronavac

Ofício do Ministério da Saúde enviado a Dimas Covas
Ofício do Ministério da Saúde enviado a Dimas Covas
Foto: Divulgação / Governo de SP

O documento indica que "não possui caráter vinculante", já que só é possível prosseguir com o processo de aquisição após o registro da vacina na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

"Entretanto, com intuito de auxiliar as análises que estão sendo realizadas no âmbito desta pasta [...], solicito o urgente encaminhamento de todos os documentos comprobatórios dos ensaios clínicos já realizados e daqueles que estão em andamento, referentes à Vacina Butantan-Sinovac", de acordo com o ofício.

Bolsonaro reage

O anúncio da compra das 46 milhões de doses da vacina Coronavac foi feito pelo Ministério da Saúde nessa terça-feira (20), após uma reunião de Pazuello com governadores estaduais.

Nesta quarta, Bolsonaro disse, em entrevista à imprensa, que "uma pessoa tentou tirar proveito político em cima disso [da discussão da Coronavac]", referindo-se ao governador de São Paulo, João Doria

Assista e leia também:
Governadores rebatem fala de Bolsonaro sobre a CoronaVac
Coronavac: Doria pede compreensão a Bolsonaro e diz que Pazuello agiu certo
Daniela Lima: recuo sobre Coronavac pode abrir guerra política com governadores

"Ele tinha audiência marcada para hoje com o ministro Pazuello, mas ele passou mal. Depois o ministro fez uma videoconferência com os outros governadores, onde o João Doria entrou no circuito e ele [Doria], acabando a videoconferência, correu para a imprensa falar que ele havia assinado protocolo para aquisição da vacina chinesa. Estas são as palavras dele", afirmou o presidente.

De acordo com Bolsonaro, "nada será expedido agora para comprar a vacina da China", a qual ele desconhece. 

Vacina não será comprada

Nesta manhã, o presidente afirmou que a Coronavac não será comprada pelo governo federal. A afirmação foi feita em resposta ao comentário de uma pessoa no Facebook.

"Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da ditadura chinesa", escreveu o indivíduo. Bolsonaro respondeu: "Não será comprada."

Horas depois, na mesma rede social, o presidente apresentou uma justificativa para a decisão. "Para o meu governo, qualquer vacina, antes de ser disponibilizada à população, deverá ser comprovada cientificamente pelo Ministério da Saúde e certificada pela Anvisa", escreveu ele, referindo-se à Coronavac como “a vacina chinesa de João Doria”.

CoronaVac será testada no Brasil a partir de 20/7 em seis estados
CoronaVac, vacina produzida por laboratório chinês em parceria com o Instituto Butantan
Foto: Reprodução / Governo de SP

Bolsonaro disse também que a população brasileira "não será cobaia de ninguém". "Não se justifica um bilionário aporte financeiro num medicamento que sequer ultrapassou sua fase de testagem. Diante do exposto, minha decisão é a de não adquirir a referida vacina", concluiu.

De acordo com a gestão Doria, a Coronavac teve os menores índices de reações em comparação a outros imunizantes contra a Covid-19. Dimas Covas informou que o sintoma mais frequente nos testes com 9 mil voluntários brasileiros foi dor no local da aplicação, relatada por 18% das pessoas testadas. 

A primeira fase de testes clínicos da Coronavac no Brasil terminou na sexta-feira (16), apontando pouco mais de 5% de efeitos colaterais entre quem recebeu a vacina.

Pasta nega previsão de compra

No fim desta manhã, o Ministério da Saúde negou que haja previsão de compra de Coronavac. "Não há intenção de compra de vacinas chinesas", afirmou o secretário-executivo da pasta, Elcio Franco. "Não houve qualquer compromisso com o governo do estado de São Paulo, ou seu governador, no sentido de aquisição de vacinas contra a Covid-19", enfatizou.

"Qualquer vacina, quando estiver disponível, certificada pela Anvisa, e adquirida pelo Ministério da Saúde, poderá ser oferecida aos brasileiros por meio do Programa Nacional de Imunizações, e no que depender desta pasta, não será obrigatória", concluiu Franco.

(Com informações de Henrique Melo, da CNN, em São Paulo)