Falas de Bolsonaro são aceno à ala ideológica na véspera das eleições

Auxiliares do presidente das alas militar e política avaliam que ele passou do ponto ao subir o tom em temas como vacina, pandemia e eleições nos EUA

Por Igor Gadelha, CNN  
11 de novembro de 2020 às 08:25

 

Auxiliares de Jair Bolsonaro das alas militar e política avaliaram, nos bastidores, que o presidente passou do ponto ao subir o tom nesta terça-feira (10) sobre temas como a vacina Coronavac, a pandemia da Covid-19 e as eleições dos Estados Unidos.

A percepção de ministros e assessores presidenciais desses dois núcleos foi de que o chefe do Palácio do Planalto quis fazer um aceno a apoiadores da ala ideológica na véspera das eleições municipais, reeditando o perfil que o elegeu presidente da República em 2018.

Leia também:
Bolsonaro critica proposta de Biden sobre Amazônia: "só diplomacia não dá"
Waack: Bolsonaro quer mesmo peitar os americanos?
"A pandemia foi superdimensionada", diz Bolsonaro
'Lamentamos pelas mortes de Covid, de câncer, de pneumonia', diz Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro durante evento
Foto: Divulgação/Marcos Corrêa/PR 

Auxiliares ressaltaram que Bolsonaro voltou a radicalizar o discurso no momento em que tem demonstrado incômodo com articulações de políticos de centro para as eleições de 2022, inclusive com a citação do nome do vice-presidente Hamilton Mourão como possível candidato desse espectro.

As declarações também ocorreram dias após o Ministério Público do Rio de Janeiro pedir a cassação do mandato do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), caso o filho mais velho do presidente seja condenado pela acusação de liderar esquema de “rachadinha”.

Auxiliares da ala ideológica ouvidos pela CNN comemoraram o tom adotado por Bolsonaro nas declarações desta terça-feira. A avaliação é de que, embora tenha se aproximado da "política tradicional", o presidente mostra que sua “cabeça está no povo”.