Agenda Marielle: 82 eleitos se comprometem com pautas de vereadora morta no Rio

A “agenda” é um conjunto de compromissos elaborado pelo Instituto Marielle Franco, criado pela família da vereadora, com práticas e pautas da política

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
16 de novembro de 2020 às 17:03 | Atualizado 16 de novembro de 2020 às 17:54

 

Oitenta e duas candidaturas de vereadoras que assinaram a “Agenda Marielle Franco” conseguiram vaga em Câmaras Municipais de todo Brasil. A “agenda” é um conjunto de compromissos elaborado pelo Instituto Marielle Franco, criado pela família da vereadora assassinada em 2018, com práticas e pautas defendidas pela política.

Entre as pautas que constam na lista, de 49 páginas, estão a defesa de melhorias nas condições de vida dos moradores de favelas, combate ao racismo, compromisso com a diversidade na montagem dos gabinetes, direitos das mulheres e da população LGBT.

Leia e assista também

Câmara do Rio terá renovação de um terço e maior presença feminina

Quem os candidatos derrotados vão apoiar no 2º turno no Rio de Janeiro

De acordo com o Instituto Marielle Franco, das 82 candidaturas eleitas que se comprometeram com a carta de compromissos, 58% são mulheres negras. Ao todo, antes das eleições, 762 candidaturas de 300 cidades do Brasil assinaram a agenda. As pessoas eleitas estão em Câmaras de 54 cidades, espalhadas em 13 estados pelo país. 

Entre as candidaturas de destaque que assinaram a agenda está a vereadora Professora Duda Salabert (PDT), mulher trans e a mais votada da história da Câmara de Belo Horizonte (MG), com mais de 37 votos. No Rio, cidade de Marielle, três vereadoras eleitas se comprometeram com a pauta.

O Instituto Marielle Franco é dirigido por Anielle Franco, irmã da vereadora, assassinada em 2018. Ela fora eleita vereadora do Rio pela primeira vez em 2016 com quase 50 mil votos.  Em 2019, os ex-PMs Ronnie Lessa e Élcio de Queiroz foram presos, apontados como executores do crime. Até hoje as investigações não apontaram um mandante do homicídio, que também vitimou Anderson Gomes, motorista da política.