Presidente do TSE, Barroso pede desculpas por dificuldades nas eleições

Apuração atrasou e tribunal foi alvo de ataques cibernéticos no último domingo (15)

Anna Satie e Kevin Lima, da CNN, em São Paulo e em Brasília
17 de novembro de 2020 às 19:51 | Atualizado 17 de novembro de 2020 às 21:51
Ministro Luís Roberto Barroso, presidente do TSE, durante coletiva sobre as eleições municipais
Foto: CNN Brasil (15.nov.2020)

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, se desculpou nesta terça-feira (17) pelas dificuldades que aconteceram na eleição do último domingo (15). 

“Peço desculpas aos colegas e à sociedade brasileira pelas dificuldades que enfrentamos. Mas esclareço que não houve nenhum tipo de comprometimento para a fidedignidade do voto, para a fidelidade da manifestação da vontade popular”, declarou durante sessão plenária da Corte.

Leia também:

PF orientou centralizar dados da eleição no TSE para 'reduzir vulnerabilidades'

Polícia Federal abre inquérito para apurar ação de hacker no TSE

Ele lembrou que o processamento da apuração atrasou após uma falha no supercomputador que totaliza os votos. Este foi o primeiro ano que os resultados foram somados em Brasília. Nos pleitos anteriores, cada TRE (Tribunal Regional Eleitoral) fazia a totalização em seu estado.

“Já é público que tivemos um pequeno problema no processamento dessas informações pela utilização de um novo supercomputador", disse. "O tempo de atraso, pouco mais de duas horas, foi o esforço de detectar o problema", disse.

Apesar disso, o ministro disse que a eleição transcorreu com "absoluta tranquilidade". "Houve um pequeno atraso que foi totalmente irrelevante para a fidelidade do resultado, que ao final foi divulgado."

Nesta terça, a Polícia Federal começou a investigar os ataques ao sistema da Justiça eleitoral. O inquérito foi pedido por Barroso, que citou as instabilidades no sistema do eTítulo, a tentativa de derrubar o sistema do TSE no dia da eleição e o vazamento de dados de servidores da Corte, supostamente obtidos por violação no banco de dados. 

O ministro já havia dito que as ações foram conduzidas por "milícias digitais com motivação política", que estariam tentando "desacreditar o sistema eleitoral".

Na noite desta terça, o TSE divulgou nota técnica sobre o atraso da totalização dos votos. Leia aqui.