Câmara cria comissão para acompanhar apuração da morte de João Alberto

Colegiado buscará 'resposta ao país' após homem negro morrer asfixiado em supermercado em Porto Alegre

Larissa Rodrigues, da CNN, em Brasília
24 de novembro de 2020 às 18:21 | Atualizado 24 de novembro de 2020 às 18:54


 

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), autorizou, nesta terça-feira (24/11), que seja criada uma comissão externa para acompanhar a investigação da morte de João Alberto Silveira Freitas, espancado até a morte por seguranças em uma loja do supermercado Carrefour, em Porto Alegre. 

A expectativa é que autorização seja publicada nesta quarta (25) no Diário da Câmara e o colegiado seja instalado na quinta (26). A comissão será coordenada pelo deputado Damião Feliciano (PDT-PB), que propôs a sua criação no último dia 20, um dia depois do assassinato.

Nesta quarta (25), Damião irá se reunir com outros parlamentares e com assessores legislativos da Câmara para fechar os detalhes do colegiado.

Assista e leia também:

Avenida Paulista amanhece com frase "Vidas Pretas Importam" pintada no asfalto
Iuri Pitta: Não basta legislação dura contra racismo se o crime não for punido
Lia Bock: O problema do racismo estrutural no Brasil

Segundo o deputado, a comissão vai apurar a causa da morte de João Alberto com a ajuda de especialistas de direito, direitos humanos e em ação penal. "O [Rodrigo] Maia nos deu essa missão e cabe a Câmara dar uma resposta ao país", completou.

Integrarão o colegiado ainda os deputados Benedita da Silva (PT-RJ), Bira do Pindaré (PSB-MA), Silvia Cristina (PDT-RO), Áurea Carolina (PSOL-MG) e Orlando Silva (PCdoB-SP).

O Caso João Alberto

Os vigias Magno Braz Borges e Giovane Gaspar da Silva, policial militar temporário, foram flagrados pelas câmeras de segurança espancando João Alberto até a morte. Os dois tiveram prisão preventiva decretada pela Justiça. Eles foram autuados em flagrante por homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, asfixia e recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

Nos últimos dias, cidades brasileiras registraram protestos diante da morte de João Alberto. As manifestações, que apontam crime de racismo, aconteceram através de protestos e da pintura da expressão "Vidas Negras Importam" na Avenida Paulista, em São Paulo.