Clã Arraes racha e Recife tem primos disputando segundo turno das eleições

Família seguiu caminhos políticos distintos após a morte de Eduardo Campos e hoje está dividida em ao menos três partidos políticos diferentes

Iuri Pitta e Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
27 de novembro de 2020 às 10:23
Os candidatos à prefeitura do Recife João Campos (PSB) e Marília Arraes (PT)
Foto: Reprodução/Câmara dos Deputados

O segundo turno das eleições municipais no Recife é um confronto bastante peculiar - entre dois primos, ambos deputados federais e candidatos por partidos da esquerda. Os ânimos também estão aflorados, dada a importância da conquista da vitória para ambos os partidos e candidatos.

Recife tornou-se a principal tábua de salvação do PT na disputa. Marília Arraes carrega a esperança petista de voltar a governar uma grande capital depois da derrocada enfrentada pela sigla em 2016 e no primeiro turno de 2020.

Para o PSB, partido do adversário João Campos, perder a capital pernambucana após oito anos, no estado em que está no poder há quatro mandatos consecutivos, seria a derrota mais dolorida em uma eleição na qual a legenda viu diminuir seu eleitorado Brasil afora.

Marília Arraes chegou ao segundo turno atrás do primo João Campos, mas as pesquisas têm demonstrado empate técnico e não conseguem predizer o resultado deste domingo.

Assista e leia também:

TSE registra 264 ataques contra candidatos em 2020
Facebook excluiu 140 mil posts com informações falsas sobre eleição municipal
6,3 mil mulheres receberam um ou zero voto nas eleições, levantando suspeitas

Entre os fatores que explicariam uma eventual virada a favor da petista está a rejeição do atual prefeito, Geraldo Júlio (PSB), que cresceu durante a pandemia da Covid-19. Também pesa contra João Campos, filho de Eduardo Campos e bisneto de Miguel Arraes, a menor experiência política do que a prima, neta do ex-governador de mesmo sobrenome.

Marília, por sua vez, enfrenta a suspeita de suposta coleta de verba entre assessores, similar a uma "rachadinha", para custear despesas de campanha, o que ela nega. Em uma disputa bastante acirrada, os candidatos trocam acusações de que um tem espalhado boatos e informações inverídicas a respeito do adversário. 

A família Arraes

Não há político na história da democracia em Pernambuco que tenha tido influência e poder como Miguel Arraes. O advogado foi o último governador do estado antes da ditadura militar, cassado pelo regime de 1964, e o primeiro a ser eleito depois da saída dos militares, em 1986.

Essas foram duas das três passagens de Arraes pelo Governo de Pernambuco. A terceira foi na beirada do Século XXI, entre 1995 e 1999, quando foi derrotado por um ex-aliado, o hoje senador Jarbas Vasconcelos (MDB-PE).

Arraes morreu em 2005 e o controle do Partido Socialista Brasileiro (PSB), que fundara quinze anos antes, passou para o seu neto, Eduardo Campos, então ministro do governo Lula e deputado licenciado.

Um ano depois da morte de Miguel Arraes, Eduardo Campos seguiu o caminho do avô ao ser eleito governador de Pernambuco em 2006. A posição de Campos como herdeiro político de Miguel Arraes era inconteste: Eduardo estava no PSB desde o início e havia sido secretário e braço direito do avô em suas últimas décadas na política.

A morte de Eduardo Campos durante a campanha presidencial de 2014 desestabilizou a sucessão. A mãe do ex-governador, Ana Arraes, já havia deixado a vida partidária em 2011, quando renunciou ao mandato de deputada federal para ser nomeada ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), onde permanece.

A viúva Renata Campos nunca disputou eleições, mas é apontada por críticos, como o cunhado Antonio Campos, como a grande articuladora política da família e do PSB.

"Renata Andrade Lima tem um projeto de poder que exclui qualquer pessoa que não se submeta aos seus caprichos e que não seja por ela comandado. Eduardo vivo equilibrava o jogo político", disse Antonio, na entrevista ao Jornal do Commercio em que anunciou seu voto em Marília Arraes.

Marília foi a primeira a romper. Filha de Marcos Arraes, irmão de Ana, ela também fazia parte do partido da família, o PSB, pelo qual se elegeu vereadora do Recife em 2008 e 2012.

Assista e leia também:

Reeleição de prefeitos bate recorde: 2.237 cidades mantêm gestores, diz CNM
Para ministros do STF, inquérito dos atos antidemocráticos combateu fake news
Waack: Prefeitos eleitos terão que administrar falta de dinheiro em 2021

A mudança para o PT aconteceu antes da reeleição para a Câmara Municipal, em 2016. Em carta ao PSB, Marília afirmou que era vítima desde 2014 de "repetidas ofensas e retaliações".

Ela também acusava a legenda de ter contrariado os seus valores, com a candidatura de Marina Silva e alianças "com zero preocupação ideológica", discurso que mantém no pleito deste ano para evocar o legado de Miguel Arraes.

A então vereadora também dizia que o PSB estava intervindo na Juventude Socialista, a juventude do partido, para impor um novo líder aos jovens da legenda, João Campos. "Sem nenhuma militância, construção deste caminho, nem justificativa política", escreveu na mesma mensagem.

Marília e Antonio seguiram caminhos bastante distintos após deixarem o núcleo familiar. A vereadora se filiou ao PT e colou a sua imagem a do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Já Antonio, derrotado para a prefeitura de Olinda (PE) em 2016, declarou voto em Jair Bolsonaro e se filiou ao PRTB, do vice-presidente Hamilton Mourão. 

João e Marília

Dentro da árvore genealógica da família Arraes, João Campos e Marília Arraes são de gerações diferentes. A petista é prima de primeiro grau do pai de João, Eduardo Campos.

Em relação ao patriarca Miguel Arraes, ela é neta e ele é bisneto, apesar de não terem uma diferença tão grande de idade. Marília tem 36 anos e João tem 27 anos.

As eleições de 2020 são a segunda vez que os dois vão às urnas disputando o mesmo cargo. Em 2018, João Campos foi o deputado mais votado de Pernambuco, com 460 mil votos, e Marília foi a segunda mais votada, com 193 mil votos.

Diferentemente de dois anos atrás, no entanto, dessa vez só um dos dois se sairá vencedor. 

No primeiro turno, João Campos foi o mais votado, com 29,13% dos votos, uma diferença de menos de 10 mil votos para Marília, que foi ao segundo turno com 27,90%.

As primeiras pesquisas do segundo turno mostravam uma inversão, com a candidata do PT numericamente à frente na disputa. O último levantamento do instituto Ibope, divulgado na quarta-feira (25), mostrou uma inversão, com o postulante do PSB à frente em números, mas com uma vantagem inferior a da margem de erro.