'Fui o governo que mais atuou contra corrupção no Rio', diz Crivella após prisão

Prefeito foi preso na manhã desta terça (22) depois de uma ação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro

da CNN, em São Paulo
22 de dezembro de 2020 às 09:16 | Atualizado 22 de dezembro de 2020 às 09:22


 

Ao chegar na Cidade da Polícia, na zona norte do Rio de Janeiro, já sob custódia das autoridades policiais, o prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) afirmou aos jornalistas que "espera justiça".

"Lembrem que eu lutei contra as empreiteiras, contra o pedágio ilegal e injusto, tirei o custo do Carnaval, negociei o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Fui o governo que mais atuou contra a corrupção no Rio de Janeiro", declarou. Questionado sobre qual é a sua expectativa, Crivella respondeu: "Justiça".

Assista e leia também:
Jorge Felippe: quem é o prefeito em exercício do Rio de Janeiro
Após prisão de Crivella, Paes diz que trabalho de transição está mantido
Futuro secretário de Paes diz que prisão não deve afetar transição no Rio

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos)
Foto: CNN (22.dez.2020) 


O prefeito foi preso na manhã desta terça-feira (22) depois de uma ação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). A prisão é um desdobramento da Operação Hades, que investiga o suposto 'QG da Propina' na Prefeitura do Rio.

Além dele, também foram presos o empresário Rafael Alves (suspeito de ser chefe do esquema de propinas e irmão de Marcelo Alves, ex-presidente da RioTur), Mauro Macedo (ex -tesoureiro da campanha de Crivella) e o ex-vereador Fernando Moraes. Também é alvo da operação o ex-senador Eduardo Lopes (Republicanos). 

O prefeito eleito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (MDB), que assumirá o cargo em 1º de janeiro, afirmou em sua conta no Twitter que os dirigentes municipais continuarão atendendo a população mesmo após a prisão do atual prefeito da cidade. Paes afirmou ainda que o trabalho de transição será mantido.

"Conversei nessa manhã com o presidente da Câmara de Vereadores, Jorge Felippe, para que mobilizasse os dirigentes municipais para continuar conduzindo suas obrigações e atendendo a população. Da mesma forma, manteremos o trabalho de transição que já vinha sendo tocado", escreveu.

(Publicado por: André Rigue)