Lewandowski decide abrir inquérito para apurar atuação de Pazuello

Lewandowski enviou à Polícia Federal pedido feito pela PGR para a instauração de inquérito, a ser concluído em 60 dias

Gabriela Coelho Da CNN, em Brasília
25 de janeiro de 2021 às 19:15 | Atualizado 25 de janeiro de 2021 às 20:27


 

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu abrir inquérito para apurar atuação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na crise de saúde pública em Manaus.

Lewandowski enviou à Polícia Federal pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para a instauração de inquérito, a ser concluído em 60 dias, conforme requerido pelo procurador-geral. O ministro da Saúde deve ser ouvido.

A representação foi enviada à PGR pelo partido Cidadania. Nela, a legenda aponta existirem indícios de que o Ministério da Saúde tinha sido alertado por uma fornecedora de oxigênio hospitalar que faltariam cilindros com o gás comprimido nos hospitais de Manaus em janeiro, mas nada fez. 

 

Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello
Ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello
Foto: CNN (08.dez.2020)


 

O Cidadania argumenta que Pazuello pode ter praticado o crime de prevaricação (artigo 319 do Código Penal) e o ato de improbidade administrativa de retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato administrativo. 

Após receber documentos do Ministério da Saúde, Augusto Aras afirmou na ação que é necessário instaurar o inquérito para aprofundar as investigações sobre os “gravíssimos fatos” imputados ao ministro.

O PGR destacou que, embora tenha havido um grande aumento no número de infectados com o coronavírus em Manaus na semana do Natal, Pazuello só enviou representantes para a cidade em 3 de janeiro.

Procurado, o Ministério da Saúde informou que aguarda a notificação oficial para posterior manifestação.