Com Witzel réu, deputado projeta fim do impeachment na 1ª quinzena de abril

A defesa do ex-juiz federal afirmou à CNN que irá recorrer das decisões ao Supremo Tribunal Federal

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
11 de fevereiro de 2021 às 16:50 | Atualizado 11 de fevereiro de 2021 às 16:56
O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel
O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, se tornou réu após decisão do STJ
Foto: Pilar Olivares - 28.ago.2020/ Reuters

Com a decisão da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de tornar o governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), réu por corrupção e lavagem de dinheiro, o processo de impeachment contra ele deve, enfim, chegar ao final. 

A data prevista pelo relator do caso no Tribunal Especial Misto, deputado Waldeck Carneiro (PT), que discute o tema desde outubro do ano passado, é de que a discussão termine até a primeira quinzena de abril deste ano.

No entendimento do relator, com Witzel e os outros denunciados pela “Operação Tris in Idem” réus, é possível que caia o sigilo sobre a colaboração premiada do ex-secretário da Saúde Edmar Santos e, agora, todos tenham acesso ao seu conteúdo. 

Por não ter tido acesso ao conteúdo completo da delação, Witzel conseguiu decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender seu interrogatório no tribunal que analisa o impeachment. 

“Agora vamos conseguir completar o interrogatório do ex-secretário da Saúde Edmar Santos, chamar Wilson Witzel para ser interrogado e, com isso, concluir a fase de instrução do processo”, afirmou o deputado. “Podemos fazer isso ainda em fevereiro.”

Além de tornar Witzel réu, o STJ também renovou o afastamento do governador do cargo por mais um ano. Em agosto de 2020, ele fora afastado do cargo por 180 dias. 

A defesa do ex-juiz federal afirmou à CNN que irá recorrer das decisões ao Supremo Tribunal Federal.