Não podemos fazer julgamento injusto, diz relatora do caso Daniel Silveira

Deputada foi escolhida na manhã desta sexta-feira (19) pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para ser relatora do caso

Da CNN, em São Paulo
19 de fevereiro de 2021 às 13:06 | Atualizado 19 de fevereiro de 2021 às 13:32

Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (19), a deputada Magda Mofatto (PL-GO), escolhida na manhã de hoje pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para ser relatora do parecer sobre a prisão do deputado Daniel Silveira (PSL-RJ), disse que é preciso ser feita uma análise “muito profunda”, para que não haja um “julgamento injusto”. 

“Estou conversando com nossos colegas para que a gente tome uma decisão acertada. Não tem ainda um relatório pronto. Dá a impressão que a tendência é essa [manutenção da prisão]. Mas não tem nada decidido. E lembrando que quem decide é o plenário, que pode ser favorável ao relatório ou não. De noite vamos saber”, afirmou ela. 

Nesta quinta (18), o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) chegou a ser anunciado relator, mas a CNN apurou que a indicação do parlamentar não chegou a ser formalizada.

Questionada sobre a determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes de suspender as redes sociais Instagram, Facebook e Twitter do parlamentar, Magda disse que a Casa está analisando se a decisão estará no parecer. 

“Estamos analisando isso, porque o Judiciário diz que é um crime continuado, por isso consideram flagrante. Então, essa continuação das colocações dele têm que ser analisadas também. Talvez não apareça no processo porque não consta isso. Mas automaticamente temos que estar ligados aos acontecimentos para saber e tomar a decisão certa”, explicou.

A relatora afirmou ainda que o Congresso não se sente pressionado, mesmo que o plenário do Supremo tenha votado, por unanimidade, pela manutenção da decisão do ministro Alexandre de Moraes de prender Daniel Silveira. “São poderes [Legislativo e Judiciário] harmônicos entre si, mas independentes.”