Documento mostra alerta sobre falta de oxigênio em Manaus no dia 8 de janeiro

Ofício da Saúde está nas mãos de integrantes da CPI da Pandemia e contraria depoimento do ex-ministro Eduardo Pazuello

Da CNN, em São Paulo
21 de maio de 2021 às 18:57

Na próxima semana, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia vai explorar um documento obtido pela Primeira-Secretaria da Câmara dos Deputados, por meio do vice-presidente da Casa, Marcelo Ramos (PL-AM), que mostra que o Ministério da Saúde foi informado do desabastecimento de oxigênio em Manaus no dia 8 de janeiro. As informações são da âncora da CNN Daniela Lima. 

Em março, antes da instalação da CPI, o parlamentar foi ao Ministério da Saúde pedir informações a respeito do atendimento feito pela pasta em Manaus durante a crise vivida na capital do Amazonas no início deste ano.

No documento, a Secretaria-Executiva do Ministério da Saúde, então sob comando de Élcio Franco, braço-direito do ministro à época, Eduardo Pazuello, afirma que "tomou ciência de problemas relacionados ao abastecimento de oxigênio da rede de saúde do Amazonas" no dia 8 de janeiro. 

O ofício contraria o relato do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello na comissão, que afirmou ter sido notificado sobre o problema oficialmente no dia 10 de janeiro. 

Ex-secretário será ouvido

A CPI da Pandemia confirmou para a próxima quinta-feira (27) o depoimento de Élcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde. Segundo membros do colegiado, Franco foi oficialmente avisado da data.

Cinco requerimentos de convocação do ex-secretário foram aprovados pelos membros da comissão na última terça-feira (18).

O interesse em ouvir o ex-secretário cresceu entres os membros da CPI após os dois dias de depoimento de Pazuello nesta semana. Para os senadores ouvidos pela reportagem da CNN, durante oitiva na comissão, o militar teria deixado claro que Élcio Franco era o encarregado pelas negociações com os laboratórios fabricantes de vacinas.

Vítimas da Covid-19 em Manaus
Foto: GettyImages