Alessandro Oliveira é confirmado como substituto de Deltan na Lava Jato

Procurador é bem avaliado pela cúpula da PGR e substituirá Deltan no Paraná

Teo Cury,

da CNN, em Brasília

Ouvir notícia
 
 

O procurador Alessandro Oliveira foi confirmado na tarde desta terça-feira (1º) como substituto de Deltan Dallagnol no comando da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba.

“Os integrantes da força-tarefa da Lava Jato no Paraná agradecem Deltan Dallagnol pela imensa contribuição prestada ao combate à corrupção e se solidarizam com o seu momento pessoal, ao tempo em que expressam apoio e confiança a Alessandro Oliveira”, disse por meio de nota a força-tarefa.” Os trabalhos na força-tarefa prosseguirão da mesma forma como nos últimos anos.”

Integrantes da cúpula da Procuradoria-Geral da República (PGR) e investigadores da Lava Jato na PGR avaliam reservadamente como positiva a substituição de Deltan Dallagnol pelo procurador.

Em casos como este, de permuta de ofícios, os procuradores lotados em Curitiba são consultados e, depois, um documento é enviado ao procurador-geral da República, a quem cabe a homologação da troca. Pessoas próximas a Fernandes dizem que o desafio será grande.

O procurador integra o grupo de trabalho da Lava Jato na PGR desde 2018, por designação da então procuradora-geral Raquel Dodge. Também atua como auxiliar em assuntos criminais na Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Leia também:
Aras deixa para véspera decisão sobre prorrogar força-tarefa da Lava Jato no PR
Deltan Dallagnol pediu permuta para outra área de atuação no MPF

O procurador Alessandro José Fernandes
O procurador Alessandro Oliveira, cotado para substituir Deltan Dallagnol na força-tarefa da Lava Jato
Foto: Divulgação / Ministério Público Eleitoral

Ele trabalha diretamente com a chefe da Lava Jato na PGR, a subprocuradora-geral Lindôra Araujo, que recentemente foi considerada o pivô da queda de braço entre a cúpula da PGR e as forças-tarefas em Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro.

Ao lado da subprocuradora e de sua equipe, Fernandes também trabalha nos acordos de colaboração premiada da operação Lava Jato na PGR. 

Entre 2013 e 2017, Fernandes foi procurador Regional Eleitoral no Paraná. Seu trabalho na área eleitoral foi considerada “excelente” por um colega que trabalhou com ele na época. 

Fontes da cúpula da PGR ouvidas pela CNN avaliam que ainda é cedo, mas que Fernandes será “muito produtivo” à frente da Lava Jato no Paraná. Ele é considerado por colegas um profissional competente, tranquilo e sério.

Mais Recentes da CNN