Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Anulação de leilão do arroz é “assunção de culpa” do governo, diz líder dos ruralistas no Congresso à CNN

    Para líder da FPA, risco de judicialização é “total”; secretário do Ministério da Agricultura deixou governo em meio a crise

    Henrique Sales Barrosda CNN* São Paulo

    O líder da bancada do agro no Congresso, deputado federal Pedro Lupion (PP-PR), defendeu, em entrevista à CNN, a instalação da CPI do Arroz.

    “Houve uma assunção de culpa (do governo)”, afirmou, na terça-feira (11), o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) ao WW (domingo a sexta, às 22h).

    A CPI do Arroz tem sido defendida por deputados para investigar os leilões de arroz do governo federal abertos após as chuvas no Rio Grande do Sul.

    O estado é o maior produtor nacional de arroz, e o governo federal decidiu subsidiar a importação do produto sob a justificativa de conter uma escalada nos preços.
    [https://www.cnnbrasil.com.br/blogs/fernando-nakagawa/economia/brasil-encerra-maio-com-o-arroz-branco-mais-caro-do-mundo-diz-fao/]

    Nesta terça, após suspeitas de fraude, o governo anunciou a anulação do leilão realizado na semana passada e o cancelamento de um que estava previsto.

    Na semana passada, a oposição acionou o Tribunal de Contas da União (TCU) apontando “comportamento atípico” das empresas que participaram do leilão.

    Apuração do analista da CNN Caio Junqueira apontou divergências sobre a sociedade na maior arrematante individual do leilão, a Wisley A. de Souza.

    Com sede em uma loja de queijos em Macapá, a empresa teve seu capital social alterado uma semana dias antes do leilão: de R$ 80 mil para R$ 5 milhões.

    Em meio à crise, houve saída no governo: o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, colocou seu cargo à disposição.

    “As comprovações de hoje do governo demonstram com clareza a necessidade de uma CPI”, afirmou Lupion à CNN.

    Para ser aberta, a CPI do Arroz precisa ter, no mínimo, 171 assinaturas. Até a noite desta terça, havia 112.

    Segundo o governo, com apoio da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Controladoria-Geral da União (CGU) para garantir a lisura, serão feitos novos leilões.

    “Isso é um equívoco”, afirmou Pedro Lupion, para quem a judicialização dos leilões vai ser “total”.

    “Não há necessidade de importação de arroz”, declarou, afirmando que a safra de arroz já colhida em solo gaúcho garante que não haverá desabastecimento.

    “Isso (leilão) desequilibra completamente uma cadeia produtiva enorme no Brasil”, acrescentou. “Ele não precisava acontecer e tinha coisa estranha por aí”, finalizou.

    * Com informações de Daniel Rittner, da CNN, em Brasília