Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após anulação, criminalista defende que Moro seja considerado parcial pelo STF

    Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, entende que análise de processos não termina com anulação das condenações do ex-presidente Lula

    Da CNN, em São Paulo

    Depois da anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelo ministro Edson Fachin, o próximo assunto do Supremo Tribunal Federal (STF) a respeito da Operação Lava Jato precisa ser a suspeição do ex-juiz Sergio Moro, afirma o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro.

    Um dos criminalistas mais influentes de Brasília, Kakay criticou Moro em entrevista à CNN, afirmando que “hoje ninguém duvida que Moro era parcial”. Para ele, o fato de as condenações de Lula terem sido anuladas não impede o julgamento da suspeição de Moro.

    “O habeas corpus que trata da parcialidade, que está com o ministro Gilmar (Mendes), é uma outra questão, que deve ser levada a julgamento. O Sergio Moro estava trabalhando de forma indevida, sem ter competência para tal. Ele julgava que tinha uma jurisdição nacional, isso não existe”.

    Ele conta o desfecho que imagina. “Acho que hoje ninguém duvida que Moro era parcial, vimos o conluio dele com os procuradores. Não há como dizer que ele não foi parcial. Os atos estão postos. A decisão trará outro tipo de efeito: declarará o juiz parcial, anulará o processo e no meu ponto de vista terá de se apurar a responsabilidade do juiz e dos procuradores que ele coordenava”.

    Para o advogado, a decisão do ministro Edson Fachin foi acertada.

    “O julgamento que se deu hoje tratou única e exclusivamente da competência, o que se decidiu agora é que ele era incompetente. Desde o início falamos que não tinha sentido julgar o sítio de Atibaia ou o triplex de Guarujá em Curitiba. Esse grupo tinha um interesse político e levava os casos para lá. O ministro Fachin se dava por vencido, agora ele seguiu a maioria do STF e fez o correto, determinou que o processo fosse para Brasília”.

    O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay (08.mar.2021)
    O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay (08.mar.2021)
    Foto: Reprodução/CNN

    Publicado por Guilherme Venaglia