Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Barroso envia à PGR queixa-crime de Ciro Gomes contra Bolsonaro

    Pedetista acusa Bolsonaro e Mendonça de praticarem o crime de advocacia administrativa por abertura de inquérito contra ele

    O ex-governador do Ceará e ex-ministro Ciro Gomes (12.set.2020)
    O ex-governador do Ceará e ex-ministro Ciro Gomes (12.set.2020) Foto: CNN Brasil

    Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília

    Ouvir notícia

     

    O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, enviou para a Procuradoria-Geral da República uma queixa-crime apresentada por Ciro Gomes (PDT), ex-ministro e ex-governador do Ceará, contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-ministro da Justiça, atual advogado-geral da União, André Mendonça.

    Procurados, a Advocacia-Geral da União afirmou que não vai se manifestar e o Planalto ainda não se pronunciou. A medida adotada por Barroso é a praxe no STF e está prevista nas regras internas da Corte. Pela Constituição, a PGR é a titular da ação penal, isto é, cabe ao órgão denunciar formalmente um investigado à Justiça.

     

    O pedetista acusa Bolsonaro e Mendonça de praticarem o crime de advocacia administrativa. Ciro, que é autor da ação ao lado de Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, alega que a abertura de um inquérito, no último mês de março, para investigá-lo e solicitado pelo então ministro da Justiça à Polícia Federal para apurar “suposto cometimento de crime contra a honra do presidente da República” é uma forma de usar a Administração Pública contra os opositores do presidente.

    A defesa do ex-governador ainda critica o Ministério da Justiça argumentando que em um momento grave da pandemia do novo coronavírus no Brasil e “a mando de Jair Messias Bolsonaro”, o então ministro André Mendonça “tem instaurado diversos procedimentos policiais em face de indivíduos que porventura tenham se manifestado politicamente contra o Presidente da República”.

    Na semana passada, André Mendonça, deixou o cargo no Ministério da Justiça e voltou ao comando da AGU, posto que ocupava até abril do ano passado, quando foi escolhido para substituir Sergio Moro. O atual ministro da Justiça é Anderson Torres.

     

    Mais Recentes da CNN