Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Bolsonaro diz a ministros do STF que tem favorito à vaga de Celso

    Desembargador Kassio Nunes Marques pode ser indicado para o Supremo Tribunal Federal

    Igor Gadelhada CNN

    O desembargador Kassio Nunes Marques surgiu como o nome favorito para ser indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para a vaga do ministro Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal.

    A informação foi publicada pelo colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, que informou que Bolsonaro se reuniu com o magistrado nesta terça-feira (29). A CNN confirmou o favoritismo do magistrado.

    Segundo apurou a coluna, o presidente já informou a alguns dos atuais ministros do STF que Marques é o favorito. Bolsonaro, porém, só pretende confirmar o nome após 13 de outubro, quando Celso se aposenta.

    Leia também:
    Julgamento sobre depoimento de Bolsonaro deve ocorrer na semana que vem
    Marco Aurélio diz ver despacho de Celso com ‘bons olhos’, mas alfineta colega

    O desembargador Kássio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região
    O desembargador Kassio Nunes Marques, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região
    Foto: Divulgação – 24.ago.2011/Ascom/TRF1

    Marques já se reuniu com Bolsonaro na noite desta terça-feira (29) no Palácio da Alvorada, conforme apurou a coluna. O desembargador mora em Brasília há quase uma década.

    Marques é desembargador do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), corte que julga processos oriundos do Distrito Federal e de outros 13 estados brasileiros das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

    Ele foi indicado para o cargo em abril de 2011 pela então presidente Dilma Rousseff (PT), em vaga destinada a advogados. Antes disso, era juiz do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, estado onde nasceu.

    Marques tem 48 anos de idade. Ou seja, se confirmada sua indicação para o STF, ele poderá passar 27 anos como ministro do Supremo – a data de aposentadoria compulsória hoje é de 75 anos.

    O desembargador é católico e de perfil conservador. Em 2018, ainda durante a gestão Michel Temer, ele atendeu pedido do governo e liberou a entrada de venezuelanos no Brasil.