Bolsonaro diz que Enem “começa a ter cara do governo”

Dezenas de servidores do Inep que trabalhavam com o exame pediram demissão. Presidente diz que ministro garante realização da prova

Presidente Jair Bolsonaro conversa ao telefone no Palácio do Planalto
Presidente Jair Bolsonaro conversa ao telefone no Palácio do Planalto Reuters

Giovanna GalvaniIsabella Fariada CNN*

em São Paulo e Dubai

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta segunda-feira (15), que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) “começa agora a ter a cara do governo”.

Bolsonaro respondia sobre uma crise institucional no Inep, órgão que cuida da gestão do exame. Nas últimas semanas, dezenas de profissionais do Inep pediram demissão com a alegação de que havia ingerência no órgão, que é responsável pela realização do exame.

O presidente afirmou ter conversado “muito rapidamente” com o ministro da Educação, Milton Ribeiro, e que ele teria garantido a realização das provas “na mais absoluta tranquilidade”. O Enem está marcado para acontecer entre os dias 21 e 28 de novembro.

“O que levou àquelas demissões, não quero entrar em detalhes, mas é um absurdo que se gastava com poucas pessoas lá. Inadmissível”, disse Bolsonaro.

“O que eu considero muito é que começa a ter a cara do governo as questões da prova do Enem. Ninguém precisa estar preocupado com aquelas questões do passado, que caía tema de redação que não tinha nada a ver com nada, realmente é algo voltado para o aprendizado”, completou.

Bolsonaro foi questionado sobre o tema em uma entrevista concedida a jornalistas em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde ele cumpre agenda na Expo Dubai 2020.

Demissões em massa

Nas últimas semanas, trinta e sete coordenadores do Inep pediram demissão coletiva em resposta ao que classificam de “má gestão” do instituto, órgão ligado ao Ministério da Educação e responsável pela aplicação de todos os exames públicos de avaliação de ensino no Brasil. A maior parte dos que se demitiram atuava na área de gestão e tecnologia do Inep, e cuidava diretamente do Enem.

Em ofício encaminhado à diretoria do Inep, ao qual a CNN teve acesso, os servidores públicos afirmam que “considerando a situação sistêmica do órgão e a fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima do Inep”, solicitam a dispensa do cargo em comissão ou função comissionada que estavam.

Em nota, o ministro Milton Ribeiro afirmou que “as provas do exame já se encontram com a empresa aplicadora e o Inep está monitorando a situação para garantir a normalidade de sua execução”.

*Com informações de Basília Rodrigues, da CNN

Mais Recentes da CNN