Bolsonaro fala em divórcio consensual com Mandetta

O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, também afirmou que discutiu a flexibilização para retorno do trabalho com o novo ministro Nelson Teich

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), afirmou que a demissão de Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde “foi realmente um divórcio consensual”.

“Nós selamos um ciclo no Ministério da Saúde. Ele se prontificou a participar de uma transição”, disse Bolsonaro. O pronunciamento foi feito na TV Brasil, após o anúncio da demissão de Mandetta, na tarde desta quinta-feira (16).

Bolsonaro abordou a situação do desemprego e a urgência de retomar as atividades na economia. “Junto com o vírus, veio uma verdadeira máquina de moer empregos”, declarou. “A vida não tem preço, mas a economia e o emprego têm que voltar a normalidade. Não o mais rápido possível, como foi conversado com o Dr. Nelson, mas de forma flexibilizada”. 

Leia também:

Mandetta e Bolsonaro acumularam semanas de embates; relembre

Demitido, Mandetta agradece Bolsonaro, mas mantém defesa de isolamento social

Nelson Teich diz que saúde e economia não competem entre si

Bolsonaro apontou algumas divergências entre ele e o ex-ministro em relação ao isolamento social e o retorno ao trabalho. “Ao longo desse tempo, é direito do ainda ministro [Mandetta] defender o seu ponto de vista como médico. A questão do emprego não foi da forma [que eu], como Chefe do Executivo, acredito que deveria ser”, declarou. 

A nomeação do médico oncologista Nelson Teich (veja perfil) para o Ministério da Saúde foi decidida após uma reunião entre ele e o presidente na manhã desta quinta-feira (16). “É uma honra estar aqui e ajudar o país e as pessoas”. 

Saúde e economia não competem entre si, elas são complementares”, disse o oncologista. “Quanto maior desenvolvimento econômico, maior investimento em educação e em saúde”. 

“Existe um alinhamento completo entre mim e o Presidente”, afirmou Teich. 

O novo ministro espera que as decisões sejam “baseadas em informações sólidas”. 

Mais Recentes da CNN