‘Deixa eles domingo lá’, diz Bolsonaro sobre próximas manifestações

Nesse domingo, grupos contra e pró-Bolsonaro entraram em atrito em uma manifestação na avenida Paulista

Murillo Ferrari,

da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em conversa no jardim do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (1º), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu que seus apoiadores não participem das manifestações marcadas para o próximo domingo (7).

“Deixa eles sozinhos no domingo, tá ok? Deixem eles sozinhos”, afirmou o presidente depois que um apoiador disse que era preciso “acabar com esses caras de preto batendo na gente”.

“Eu não coordeno nada, não sou dono de grupo, eu não participo de nada. Eu só vou prestigiar vocês que estão me apoiando, fazem um movimento limpo, decente em favor da democracia, pela lei e pela ordem. Tá certo? Eu apenas compareço. Não conheço praticamente ninguém desses grupos. Eu acho que, já que eles marcaram para domingo, deixa eles domingo lá”, afirmou Bolsonaro.

Confronto na Paulista

No domingo (31), um movimento múltiplo que reuniu torcidas organizadas de times de futebol de São Paulo – como Palmeiras, Corinthians, São Paulo e Santos –, militantes de oposição ao governo Bolsonaro e integrantes de movimentos sociais na Avenida Paulista terminou em tumulto e enfrentamento com policiais.

Assista e leia também:

Deputados federais avaliam manifestações contra e pró-Bolsonaro

Doria diz que PM agiu pela integridade ‘dos dois lados’ na Avenida Paulista

Durante o protesto, que começou de forma pacífica, um embate entre manifestantes pró e contra Bolsonaro próximo ao Masp deu início a um tumulto, por volta das 13h30. Nas imagens registradas ao vivo pela CNN, foi possível ver que um grupo de pessoas se aglomerou e rapidamente se dispersou após bombas de gás lacrimogêneo estourarem. 

A confusão se deu porque grupos anti-Bolsonaro furaram o bloqueio para arrancar uma bandeira da Ucrânia de um militante bolsonarista. Os antifas, que provocaram a confusão, dizem se tratar de um símbolo nazista. Em entrevista à CNNo embaixador da Ucrânia no Brasil, Rostyslav Tronenko, negou que a bandeira pertença a grupos neonazistas.

Mais Recentes da CNN