Bolsonaro tem ‘obrigação’ de provar fraude nas eleições, diz professor

O cientista político Carlos Melo disse à CNN que o presidente da República precisa provar as suas acusações de fraude eleitoral

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O cientista político e professor do Insper Carlos Melo afirmou nesta sexta-feira (18), em entrevista à CNN, que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem “obrigação” de provar as alegações de fraudes eleitorais feitas. 

“A democracia depende da lisura dos seus procedimentos e a eleição é o principal deles. Quando o presidente afirma que houve uma fraude, é muito sério”, afirmou o cientista político. “É obrigação dele provar essa afirmação.”

Nesta quinta-feira (17), durante sua live semanal, Bolsonaro voltou a defender o voto impresso, e disse, sem apresentar provas, ter informações de que houve fraude na eleição presidencial de 2014, vencida por Dilma Rousseff (PT), e na de 2018, na qual se elegeu. 

“O Aécio [Neves] ganhou em 2014. Em 2018, eu ganhei em primeiro turno. Alguns falam: ‘eu nunca vi ganhador reclamar’. Eu tô reclamando, porque eu quero transparência. ‘Ah, vai custar R$ 2 bilhões.’ Eu sempre ouvi que a democracia não tem preço. A gente arranja esse dinheiro aqui”, disse o presidente. 

Apesar das alegações, Bolsonaro não apresentou provas de fraude. Em entrevista à CNN na quinta-feira, o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que nunca houve fraude documentada nas urnas eletrônicas usadas no Brasil, afirmação endossada por Melo.

“Do ponto de vista técnico, já foi demonstrado que as urnas são críveis e têm como ser averiguadas”, disse o professor. “Imaginar que esse sistema tenha sido fraudado na competição eleitoral que tivemos ao longo dos tempos é uma ilusão.

O partido Rede Sustentabilidade protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um mandado de segurança para que Bolsonaro seja obrigado, em 10 dias, a apresentar provas da acusação. 

Jair Bolsonaro
Jair Bolsonaro em solenidade no Palácio do Planalto
Foto: Carolina Antunes/PR

Mais Recentes da CNN