Conversa entre Onyx e Terra gera ‘ruído péssimo’, diz líder do DEM na Câmara

O deputado Efraim Filho declarou que o episódio gera impacto na bancada do partido, ao qual Mandetta e Onyx pertencem

O deputado Efraim Filho, líder do DEM na Câmara 
O deputado Efraim Filho, líder do DEM na Câmara  Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (7.fev.2017)

Da CNN, em Brasília e São Paulo

Ouvir notícia

O deputado Efraim Filho (DEM-PB), líder do DEM na Câmara, declarou que a divulgação da conversa entre o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni (DEM), e o deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) sobre uma eventual saída do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM), “gera um ruído péssimo”. A conversa foi noticiada com exclusividade pela CNN.

Onyx e Mandetta são do mesmo partido. No começo da semana, Terra chegou a ser cotado como substituto de Mandetta no Ministério da Saúde.

“É um episódio que impacta na bancada do Democratas”, disse Filho. “Gera um ruído péssimo, já que todos tínhamos nos mobilizado para dar suporte ao Mandetta na crise da pandemia. É um diálogo pessoal e não nos cabe avaliar a conduta de cada um. A bancada vai olhar pra frente e focar no trabalho”.

Leia e ouça:

Ouça trecho de áudio do deputado Osmar Terra em conversa com Onyx

Em entrevista à CNN, o vice-líder do DEM na Câmara, Luis Miranda (DEM-DF), disse que as falas de Onyx foram “inesperadas e assustadoras”. Segundo Miranda, Mandetta tem o apoio do partido e vem sendo atacado por “seguir a ciência”. 

Antes da publicação da reportagem, depois de ter sido procurado pela CNN para dar sua versão sobre a conversa com Terra, Onyx ligou para Mandetta para pedir desculpas. Procurado pela reportagem, o ministro da Saúde se limitou a dizer que segue trabalhando.

Integrantes do DEM ouvidos pela CNN disseram que há forte cobrança no partido sobre a conduta de Onyx. Antes da divulgação da conversa com Terra, o ministro já havia sido cobrado a demonstrar solidariedade a Mandetta, depois que o ministro teve a permanência no cargo ameaçada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Onyx declarou que estava do lado do correligionário.

Logo após a publicação do texto, uma entrevista coletiva sobre a evolução da COVID-19, com participação de Mandetta e do general Braga Netto, da Casa Civil, foi cancelada.

O líder do governo no Senado, Eduardo Gomes (MDB-TO), disse não acreditar que o episódio vá interferir em algo. “Só cabe ao presidente a decisão de nomear. A energia da política tem sido muito estressante. Precisamos de união, toda a energia focada em ações para vencermos a crise [da COVID-19] juntos”, afirmou.

Oposição: ‘Governo de traíras’

Parlamentares da oposição comentaram a conversa entre Onyx e Terra nas redes sociais. A presidente do PT, deputada federal Gleisi Hoffmann, disse que o diálogo prova o menosprezo pelas vítimas do coronavírus.

“Assim age o entorno de Bolsonaro, fazendo política mesquinha e desejando impor o isolamento de morte”, escreveu. 

O senador Humberto Costa (PT-PE) disse que a conversa mostra o “mecanismo vergonhoso de um governo de traíras”. 

Guilherme Boulos, candidato à Presidência em 2018 pelo PSOL, comentou que o “nível de irresponsabilidade desse governo é criminoso”. 

Outro nome do partido que se pronunciou foi o deputado federal Marcelo Freixo (RJ), que opinou que o diálogo mostra que o “governo Bolsonaro está sempre conspirando contra o Brasil”. 

O nome de Onyx Lorenzoni esteve entre os assuntos mais comentados da rede social durante a tarde desta quinta-feira. 

Mais Recentes da CNN