Doria é o nome do partido, mas resolução de candidatura não será do PSDB, diz Bruno Araújo

Declaração aconteceu em ato de filiação de Rodrigo Maia, em São Paulo, nesta sexta-feira (1º)

Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB
Bruno Araújo, presidente nacional do PSDB George Gianni/PSDB

Bruna Macedoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Após o movimentado dia em que João Doria ameaçou desistir da candidatura à Presidência e que o PSDB soltou uma carta afirmando que iria respeitar as prévias, Bruno Araújo, presidente do partido, voltou a falar em candidato único, escolhido por federação entre PSDB, União Brasil e MDB.

“Todos os nomes estão postos, inclusive o da senadora Simone Tebet, que faz parte desse conjunto, desse consórcio, dessa aliança política”.

Essa e outras declarações aconteceram em ato de filiação de Rodrigo Maia, na sede do PSDB, em São Paulo. Maia é um forte aliado de Doria e foi muito elogiado por Bruno Araújo, que disse que era “uma honra” recebê-lo no PSDB.

Quando foi questionado se carta aberta assinada por ele mudava algum cenário dentro do partido, ou estabelecia alguma regra, Bruno disse que “na política, tem algo que vale mais do que papel e carta: são os fatos e acontecimentos”.

Tanto Bruno Araújo quanto João Doria não negaram instabilidade e oposição a Doria dentro do PSDB, mas, numa postura bastante similar, normalizaram esses desentendimentos: “numa família nem sempre há uma unidade todos os dias, e nem por isso ela deixa de ser uma família”, disse o ex-governador no mesmo evento.

Bruno também foi questionado se a movimentação política do pré-candidato do PSDB o irritou, e respondeu que o movimento foi atípico, mas que isso não o consumia.

O presidente do partido ainda revelou que “havia uma sucessão absolutamente e naturalmente planejada. Por algum momento, se deu a entender que ela não podia acontecer”.

Na semana que vem, enquanto Bruno Araújo estará em reunião com outros partidos da federação para discutir nomes de possíveis candidatos à presidência, João Doria estará viajando pela Bahia, numa tentativa de aumentar sua popularidade e diminuir o nível de rejeição entre os eleitores.

Mais Recentes da CNN