É preciso mudar a legislação ambiental, diz Bolsonaro

Em evento realizado na Fiesp, presidente elogiou feitos realizados durante sua gestão e considerou demarcação de terras indígenas um "impasse" para obras no país

João de Marida CNN

Em São Paulo

Ouvir notícia

Em evento realizado na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou, nesta quarta-feira (15), que o Brasil precisa alterar sua legislação ambiental. Ele elogiou feitos realizados durante sua gestão e considerou a demarcação de terras indígenas um “impasse” para obras país.

“Eu não sabia que por decreto era proibido plantar cana-de-açúcar no Amazonas. Da para imaginar um estado não poder plantar? Não tem cabimento. Revoguei o decreto. Vão falar que quero que o Amazonas vire canavial, mas que se exploda”, afirmou Bolsonaro, referindo-se a um decreto revogado em 2019 que estabelecia o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar e impedia a expansão do cultivo por áreas sensíveis do país, como Amazônia e Pantanal.

Bolsonaro relembrou a autorização para construir o Linhão do Tucuruí entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR), após impasse com indígenas que lutavam para manter o direito constitucional de serem consultados quanto à obra, o que considerou um “feitos realizado pelo governo”.

“Após anos de luta, conseguimos autorização para construir o Linhão do Tucuruí. Porque a dificuldade? Pois passava sobre uma reserva indígena”, disse Bolsonaro.

“O Brasil fala que somos uma potência do agronegócio, mas 90% do potássio para agricultura vem de fora do país. Com crise lá fora e menos potássio, falta fertilizante para nós. Poderíamos ter nosso material aqui? Poderíamos, mas a foz do Rio Amazonas, que tem potássio, é demarcada como terra indígena.”

O evento realizado na Fiesp contou com a presença de CEOs brasileiros. O objetivo do governo era falar sobre as ações e entregas de obras “importantes”, segundo o governo, para o econômico desde 2019. Além de Bolsonaro, estavam presentes os ministros da Secretaria-Geral, Luiz Eduardo Ramos; da Economia, Paulo Guedes e da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Demarcação de terras indígenas

Em agosto, o Supremo Tribunal Federal (STF) deu início ao julgamento do “marco temporal” sobre a demarcação de terras indígenas. Ministros passaram a analisar a tese, defendida por Bolsonaro, que determina que os povos originários só podem reivindicar a demarcação das terras se se for comprovado que estavam sobre o espaço requerido antes de 5 de outubro de 1988, data da promulgação da atual Constituição.

No discurso desta quarta-feira (15), Bolsonaro relembrou que a votação está paralisada após pedido de vistas (mais tempo para analisar o processo) por parte do ministro Alexandre de Moraes, e segue empatada por 1 a 1 —  Edson Fachin votou contra o marco temporal; Nunes Marques, foi favorável.

“O STF está votando um novo marco temporal sobre uma centena de novas áreas indígenas. Pela localização das terras indígenas [que ainda estão ‘na fila’ para serem demarcada], não teríamos espaço para o agronegócio”, avaliou Bolsonaro.

“Se perdemos [na votação do STF], vou ter que tomar uma decisão, pois entendo que o novo marco temporal enterra o Brasil.”

Indígenas são contrários ao chamado marco temporal, alegando que a medida pode acabar com os processos de demarcações em curso e até revogar o direito já adquirido sobre terras indígenas. Já ruralistas, além do governo Bolsonaro, são favoráveis ao tema.

Não houve demarcações de terras indígenas desde que Jair Bolsonaro (PL) chegou à Presidência da República, em 2019. Além disso, processos de demarcação já iniciados em governos anteriores foram paralisados.

Mais Recentes da CNN