Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em meio a tensões, Lula e Pacheco se reúnem por 3 horas e meia no Alvorada

    Presidentes da República e do Congresso buscam diálogo em momento de crise na relação entre Poderes

    Mayara da PazPedro Teixeirada CNN Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu, nesta quinta-feira (2), o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para um encontro no Palácio da Alvorada.

    O encontro, que durou cerca de 3 horas e meia, ocorreu em meio ao embate entre o Palácio do Planalto e o Congresso Nacional.

    Participaram da reunião no Alvorada os ministros:

    • Rui Costa, ministro da Casa Civil,
    • Renan Filho, ministro dos Transportes,
    • Ricardo Lewandowski, ministro da Justiça e Segurança Pública,
    • o líder do governo no Senado, senador Jaques Wagner (PT-BA),
    • o senador Jorge Kajuru (PSB-GO),
    • e a senadora Leila Barros (PDT-DF).

    Há duas semanas, Lula já havia se reunido com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

    Nos últimos meses, parlamentares têm aumentado as críticas contra o governo, principalmente no que se refere ao atraso no pagamento de emendas, judicializações de propostas aprovadas pelo Congresso e falta de articulação política.

    Na terça (30), Pacheco minimizou os recentes atritos com o governo e disse que todas as “divergências” com o governo seriam resolvidas “uma a uma”.

    Na ocasião, porém, ele voltou a criticar a decisão do governo federal de judicializar a desoneração da folha de pagamento de empresa e municípios. Segundo Pachedo, a medida foi um “erro primário”.

    Durante ato do 1º de Maio, nesta semana, Lula negou que exista uma “guerra” entre o Palácio do Planalto e o Congresso.

    Distensionar relação

    O objetivo do encontro de Lula com Lira e Pacheco foi distensionar a relação com os chefes das Casas legislativas.

    O movimento do Planalto ocorre uma semana antes de o Congresso analisar os vetos de Lula a propostas aprovadas pelos parlamentares.

    Após ser adiada em duas ocasiões, a sessão para analisar vetos presidenciais deve ocorrer no dia 9 de maio. Ao todo, 32 itens estão pendentes de análise dos deputados e dos senadores. Nem todos, porém, serão analisados.

    O governo tenta evitar a derrota em dois deles. O primeiro diz respeito ao veto de Lula sobre o projeto de lei sobre a saída temporária de presos, conhecida popularmente como “saidinha”.

    Outro veto que tem demandado uma articulação do governo com os parlamentares é sobre o repasse de R$ 5,6 bilhões em emendas de comissão, que são direcionadas à Câmara e ao Senado. Em janeiro, Lula barrou essa transferência de recursos ao Congresso, o que desagradou os parlamentares.