Fachin e Moraes debatem segurança das urnas com ministro da Defesa no TSE

CNN apurou que a conversa, rotulada como "visita institucional", serviu para que o atual ministro da Defesa apresentasse pessoalmente as sugestões das Forças Armadas

Reunião do TSE com o Ministério da Defesa
Reunião do TSE com o Ministério da Defesa Abdias Pinheiro/SECOM/TSE (20.abr.2022)

Basília RodriguesGustavo UribeRudá Moreirada CNN

Brasília

Ouvir notícia

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Edson Fachin, recebeu no TSE, na manhã desta quarta-feira (20), o ministro da Defesa, general de Exército Paulo Sérgio Oliveira. Também participaram do encontro o ministro Alexandre de Moraes, vice-presidente da corte eleitoral, e o general Marco Antônio Freire Gomes, comandante do Exército Brasileiro.

A CNN apurou que a conversa, rotulada como “visita institucional”, serviu para que o atual ministro da Defesa apresentasse pessoalmente as sugestões das Forças Armadas para aprimorar o funcionamento das urnas eletrônicas, encaminhadas mês passado à Comissão de Transparência das Eleições. Também foi o primeiro encontro pessoal entre o novo ministro da Defesa e a atual cúpula da Justiça Eleitoral.

Uma das propostas defendidas pelas Forças Armadas, de acordo com uma fonte da CNN, é a ampliação do teste de integridade das urnas eletrônicas. Em pleitos anteriores, o procedimento costumava ser feito com cerca de cem urnas. A ideia é aumentar para, pelo menos, mil dispositivos.

As propostas já haviam sido apresentadas pelo Ministério da Defesa na Comissão de Transparência Eleitoral (CTE), da qual fazem parte outras instituições do estado, como o Exército. De acordo com o TSE, a reunião desta quarta-feira foi pedida pelo ministro da Defesa.

O compromisso desta quarta entre Fachin, Moraes e o general Paulo Sérgio estava marcado há cerca de dez dias, segundo apuração da CNN. No entanto, não havia sido divulgado com antecedência. O encontro foi incluído nas agendas oficiais de ambos pouco antes da reunião, marcada para 10h30 da manhã.

A agenda de debate sobre a segurança das urnas e do processo eleitoral tem sido intensificada pelas instituições, a medida que se aproxima o pleito de outubro.

As sugestões serão unidas com as propostas das demais entidades. Também fazem parte da comissão representantes do TCU, da OAB, da PF e do Ministério Público Eleitoral.

Todas as sugestões devem ser analisadas até a próxima segunda-feira (25), quando haverá uma reunião do grupo e o plano de ação da comissão será finalizado. As sugestões já apresentadas são sigilosas e devem ser divulgadas nesta reunião.

O encontro entre a cúpula do TSE e o ministro da Defesa acontece um dia depois de o presidente Jair Bolsonaro ter afirmado, durante discurso no Quartel General do Exército, que não pode haver suspeição nas eleições brasileiras.

(Com informações de Gabriel Hirabahasi, da CNN em Brasília)

Mais Recentes da CNN