Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Força-tarefa da Lava Jato pede demissão coletiva

    Em documento encaminhado a Augusto Aras, ao qual a CNN teve acesso, eles alegam 'incompatibilidades insolúveis' com a chefe da Lava Jato em SP

    Caio Junqueirada CNN

    Sete integrantes da Lava Jato de São Paulo pediram demissão da força-tarefa na noite desta quarta-feira (2). Em documento encaminhado ao procurador-geral da República, Augusto Aras, ao qual a CNN teve acesso, eles alegam “incompatibilidades insolúveis com a atuação da procuradora natural dos feitos da referida Força-Tarefa, Dra. Viviane de Oliveira Martinez”.

    Com a demissão coletiva, não sobra nenhum procurador na força-tarefa.

    São eles:

    Guilherme Rocha Göpfert: a partir de 08/09/2020 
    Thiago Lacerda Nobre: a partir de 08/09/2020 
    Paloma Alves Ramos: a partir de 11/09/2020 
    Janice Agostinho Barreto Ascari: a partir de 30/09/2020 
    Marília Soares Ferreira Iftim: a partir de 30/09/2020 
    Paulo Sérgio Ferreira Filho: a partir de 30/09/2020 
    Yuri Corrêa da Luz: a partir de 30/09/2020

    As críticas à chefe da Lava Jato em São Paulo estavam se acentuando nas últimas semanas. Fontes dizem que Viviane é “burocrata” e “sem comprometimento” com a operação. Mas também há claramente o incômodo com a incerteza em relação ao futuro da força-tarefa no momento em que ela tem tentado avançar em investigações que sempre tiveram dificuldades no estado, como as contra José Serra e Geraldo Alckmin. 

    Assista e leia também:

    PGR deve pedir anulação de parte da operação contra Serra

    Serra chama operação da PF de ‘abusiva’ e lamenta ‘espetacularização’

    PF cumpre mandados em ação que investiga caixa 2 de Serra em campanha eleitoral

    Operação da PF apura superfaturamento de livros e cartilhas sobre a COVID-19

    Força-tarefa da Lava Jato pede demissão 

    Foto: Sergio Moraes – 5.set.2017- Reuters

    As demissões ocorrem na esteira do pedido de afastamento de Deltan Dellagnol no comando da força-tarefa da Lava Jato de Curitiba. Apesar de os procuradores paulistas considerarem seu substituto, Alessandro Oliveira, um ótimo quadro técnico, a frustração é grande.

    Em Brasília, a leitura na PGR é a de que a saída coletiva poderá ensejar processos administrativos contra os procuradores e que há uma clara reação a Aras no gesto.