Garcia: Querem transferir o desgaste popular da restrição para o governo federal

No quadro Liberdade de Opinião, o jornalista avaliou a carta divulgada pelo Conass ao Ministério da Saúde pedindo medidas mais duras para conter a pandemia

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro Liberdade de Opinião desta terça-feira (2), o jornalista Alexandre Garcia avaliou a carta divulgada pelo Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) ao Ministério da Saúde pedindo medidas mais duras para conter o agravamento da pandemia da Covid-19 no país. Entre as medidas, o conselho recomenda a adoção de um toque de recolher nacional, entre 20h e 6h, inclusive aos fins de semana, o fechamento de praias e bares e a suspensão das aulas presenciais.

“Fechar templos no país inteiro, adotar toque de recolher no país inteiro, como se o país fosse igual. Lá atrás, em abril, pediram para o Supremo Tribunal Federal para ter poderes maiores que o poder do governo federal, [para] que municípios e estados tivessem prioridade na adoção de medidas, e o governo federal só pode adotar medidas que sejam autorizadas pelos prefeitos e governadores”, disse Garcia.

“Agora, parece que entregaram a toalha. Eles não estão se julgando impotentes para resolver o problema, mas estão tentando passar o desgaste popular para o governo federal, sendo que o país não é igual: tem características diferentes e cepas diferentes dependendo da região. Esta é uma medida política. O pessoal está indo para a porta do governador gritar como acontece aqui em Brasília, como acontece em certas prefeituras. Então, vamos fazer uma carta para o governo assumir tudo isso.”

O Liberdade de Opinião tem a participação de Alexandre Garcia e Sidney Rezende. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

Alexandre Garcia no quadro Liberdade de Opinião
Alexandre Garcia no quadro Liberdade de Opinião
Foto: CNN (02.mar.2021)

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN Brasil ou seus funcionários.

(Publicado por: André Rigue)

Mais Recentes da CNN