Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo Bolsonaro tentou trazer ilegalmente ao Brasil joias avaliadas em R$ 16,5 milhões

    Segundo a reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo", com confirmação da CNN, as joias eram presente do reino da Arábia Saudita para a então primeira-dama Michelle Bolsonaro

    Leonardo Ribbeiroda CNN

    em Brasília

    Integrantes do governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) teriam tentado trazer para o Brasil, de forma ilegal, um conjunto de joias avaliado em R$ 16,5 milhões. A informação foi publicada pelo jornal “O Estado de S. Paulo” e confirmada pela CNN.

    O colar, anel, relógio e par de brincos de diamantes, segundo a reportagem, eram presente do reino da Arábia Saudita para a então primeira-dama Michelle Bolsonaro. Ela nega.

    Nas redes sociais, a ex-primeira-dama fez uma postagem questionando o assunto. “Eu tenho tudo isso e não estava sabendo? Meu Deus! Vocês estão longe mesmo hein?! Estou rindo da falta de cabimento dessa imprensa vexatória”, escreveu.

    O material foi apreendido por agentes da Receita Federal no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, em outubro de 2021. As joias estavam com um assessor do ex-ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Na ocasião, a comitiva brasileira retornava de missão no Oriente Médio.

    Por lei, qualquer bem com valor acima de US$ 1 mil precisa ser declarado e os impostos recolhidos imediatamente.

    Ainda de acordo com “O Estado de S. Paulo”, representantes do governo Bolsonaro fizeram ao menos quatro tentativas de retirar os itens da alfândega após a apreensão. A última delas teria ocorrido dois dias antes do fim do mandato, no dia 29 de dezembro do ano passado.

    A CNN apurou que houve pedidos de integrantes do então governo Bolsonaro para enviar as joias como entrega diplomática para a embaixada da Arábia Saudita.

    O advogado do ex-presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, afirmou que não se manifestará sobre o assunto. A CNN tenta contato com a Embaixada da Arábia Saudita e o ex-ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.