‘Governo não atrapalha o agronegócio’, diz Bolsonaro em evento no interior de SP

Em inauguração de planta de biogás em Guariba, na região de Ribeirão Preto, presidente diz que 'não cria dificuldade para vender facilidade'

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender medidas favoráveis de seu governo com o agronegócio nesta sexta-feira (16), na cidade de Guariba, no interior de São Paulo, durante a inauguração de uma Planta de Biogás da Empresa Raizen.

“Quando falam que sou bem quisto pelo pessoal do agronegócio… nosso ministério, como o do Ricardo Salles, do Meio Ambiente, não atrapalha a vida de vocês. Pelo contrário, ajuda e muito”, afirmou o presidente.

Assista e leia também:

Exportações do agronegócio cresceram 4,8% em setembro, diz ministério
‘Longe da realidade’, diz ex-presidente do Ibama sobre discurso de Bolsonaro
Bolsonaro diz que pandemia foi ‘superdimensionada’ e que economia se recupera

“Relembrem há algum tempo como o Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis] e o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade] tratavam vocês e como esse tratamento hoje em dia é dispensado. Nós não criamos dificuldades para vender facilidade”, completou.

Apesar de não citar nominalmente, Bolsonaro também voltou a criticar o presidente da França, Emmanuel Macron, dizendo que o líder europeu está na vanguarda das críticas ao Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento no interior de São Paulo
O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento no interior de São Paulo
Foto: TV Brasil/Reprodução/CNN Brasil (16.out.2020)

“Quando passei em Osaka [durante cúpula do G-20, em 2019], tive encontro com um presidente de um grande país da Europa que quase sempre está na vanguarda para nos criticar. Ele queria que ampliássemos de 12% para 20% a quantidade de terra indígena demarcada no país”, afirmou o presidente brasileiro, completando que não foi feita nenhuma demarcação em seu governo.

“Eu disse aquele chefe de estado, naquele momento, que o Brasil tinha mudado. Acabou o tempo que um chefe de estado ia pra fora e voltava para cá com pacote de maldades em que quem pagava a conta, geralmente, era o homem do campo.”

Mais Recentes da CNN