Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Grupo de Boulos amplia controle no Psol, reafirma governismo e é acusado de golpe regimental

    Aliados de Boulos disseram, porém, que não existe “golpe”, e sim uma mudança na correlação de forças do partido

    Corrente de Boulos reuniu a maioria dos delegados e deve eleger aliada como presidente do Psol
    Corrente de Boulos reuniu a maioria dos delegados e deve eleger aliada como presidente do Psol BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

    Pedro Venceslauda CNN

    São Paulo

    No momento em que tenta se contrapor à ofensiva conservadora no Congresso Nacional, o Psol vai reforçar os laços com o governo Luiz Inácio Lula da Silva em seu 8° Congresso, que acontece no domingo (1) em Brasília.

    A corrente do deputado Guilherme Boulos, pré-candidato a prefeito de São Paulo em 2024, reuniu a maioria dos delegados e deve eleger a historiadora Paula Coradi como presidente da sigla no lugar de Juliano Medeiros.

    A expectativa na legenda é que a corrente MES (Movimento Esquerda Socialista), que prega independência em relação ao governo Lula e representa a esquerda do Psol, perca espaço na direção da legenda.

    O grupo tem pressionado a cúpula partidária a cobrar do governo uma postura de combate ao avanço das agendas das frentes conservadoras.

    “O Psol precisa de independência para cobrar o governo a agir contra a reação do Congresso às posições progressistas do STF”, disse a deputada Sâmia Bomfim (SP), que integra a corrente que faz oposição ao grupo de Boulos e Medeiros.

    Ainda segundo a deputada, o grupo majoritário na sigla estaria articulando uma manobra regimental para reduzir o espaço das tendências minoritárias. “Estão fazendo uma manobra que nos tira espaço. Querem dar um golpe na proporcionalidade da direção do partido”, disse Sâmia à CNN.

    Procurados, Juliano Medeiros e Guilherme Boulos ainda não se manifestaram.

    Aliados de Boulos disseram, porém, que não existe “golpe”, e sim uma mudança na correlação de forças do partido, que nasceu de uma dissidência petista. Pelos cálculos do entorno de Boulos, o MES tinha 40% dos delegados do Psol, mas perdeu militância e deve chegar a 33% no próximo domingo.

    Veja também: PT pode ter efeito político melhor com Boulos, diz especialista