Iremos com Pacheco como candidato até o final, diz Kassab sobre possíveis alianças

Ex-prefeito de São Paulo confirmou a candidatura do presidente do Senado Federal à Presidência da República

Douglas Portoda CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente do PSD, Gilberto Kassab, afirmou, nesta segunda-feira (29), em entrevista à CNN, que o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), será candidato do partido à Presidência da República até o final das eleições de 2022.

O ex-prefeito de São Paulo declarou não haver possibilidade de desistência para formação de alianças com outras candidaturas da chamada “terceira via”.

“Muitos candidatos perecem ao longo da campanha. Para isso basta rever as últimas eleições nos últimos 20 anos. É evidente que um outro candidato possa recuar, mas no caso da disposição do PSD, nós entendemos que a campanha é onde os candidatos apresentam efetivamente, nós teremos um bom candidato que representa a renovação, a seriedade, a boa formação, que é o senador Rodrigo Pacheco e iremos com ele até o final”, expôs Kassab.

“Tenho maior respeito àqueles que defendem a maior integração entre outras candidaturas, o PSD deseja boa sorte a todos, mas não tem nenhum sentido antes de acabar a pré-campanha e antes de iniciar a campanha, os partidos que querem ter candidato não irem com sua candidatura até o final”, continuou.

Ainda segundo Kassab, Pacheco começará a sua pré-campanha no começo de 2022. Para isso, o presidente do Senado já começou a montar uma equipe para ajudá-lo a estruturar um programa de governo, segundo informações do analista de política da CNN Caio Junqueira.

Dois nomes já foram contatados e aceitaram: o ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues e o professor catedrático do instituto de estudos avançados da USP de Ribeirão Preto, Mozart Neves Ramos.

Rodrigues foi ministro da Agricultura no governo Lula, enquanto Mozart chegou a ser cogitado para o Ministério da Educação no início do governo Bolsonaro. O partido vai começar também a sondar economistas para atuarem no grupo.

Mais Recentes da CNN