Judiciário precisa evitar ambiente esquizofrênico, diz procurador de São Paulo

Procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo, questionou método de Marco Aurélio de decidir apenas pela tese dos autos

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A soltura, revogação e agora evasão de um dos líderes do PCC, André do Rap, trouxe uma série de discussões sobre a organização do sistema judiciário brasileiro. Em entrevista para a CNN nesta segunda-feira (12), o procurador-geral de Justiça do Estado de São Paulo, Mário Luiz Sarrubbo, diz respeitar decisões judiciais, mas pediu por uma maior coerência e bom senso em decisões delicadas, como a de André do Rap.

“Por mais que se respeite decisões judiciais, é muito importante que o sistema de justiça esteja organizado para que a sociedade não tenha que conviver neste ambiente esquizofrênico. O ideal é que essa decisão seja tomada por um órgão colegiado,” disse Sarrubbo.

Leia também:
Ministros do STF: decisões sobre líder do PCC geraram desgaste desnecessário
Deputados usam caso de chefe do PCC para pressionar Maia por PEC da 2ª instância
Governo não deve defender voto pela PEC da prisão em segunda instância

André Oliveira Macedo, o André do Rap, do PCC
André Oliveira Macedo, o André do Rap, do PCC: traficante já é considerado foragido
Foto: Reprodução/CNN Brasil (12.out.2020)

“Vou aqui contestar o ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio, que diz não olhar para quem é o réu, mas apenas a tese nos autos. Isso é ruim. Tratava-se de um dos maiores traficantes do Brasil, com duas condenações em segundo grau. A característica principal de um magistrado é a serenidade e o bom senso.”

Questionado sobre qual seria a parcela de culpa do Ministério Público (MP) na decisão, uma vez que não foi feita a renovação do pedido de prisão preventiva, Sarrubbo disse que o MP não tem mais influência no processo, uma vez que já subiu de instância.

“MP não tem culpa, pois o processo está no Tribunal Superior. Quando o processo sobe de instância, nem o juiz de primeiro grau ou o Procurador da República tem condições de saber o andamento do processo e saber se é momento de renovar o pedido da prisão preventiva.”

Sarrubbo ressalta que é importante que a sociedade continue a repercutir essa decisão “para que uma situação como essa não se repita.”

 

Mais Recentes da CNN