Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula afirma que militares sempre tiveram uma interferência na política brasileira

    Declaração do presidente aconteceu em evento em comemoração ao Dia Internacional das Mulheres, em Brasília

    A ministra Margareth Menezes, a cantora Daniela Mercury, o presidente Lula e a primeira-dama Janja durante evento em homenagem ao Dia Internacional da Mulher
    A ministra Margareth Menezes, a cantora Daniela Mercury, o presidente Lula e a primeira-dama Janja durante evento em homenagem ao Dia Internacional da Mulher 08/03/2024 - Ricardo Stuckert/PR

    Gabriel Garciada CNN

    Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou, nesta sexta-feira (8), que os militares sempre tiveram uma interferência na política brasileira.

    A declaração foi dada durante almoço com servidoras da presidência e da Esplanada dos Ministérios em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

    “No Brasil, tudo é mais demorado. Nossa independência foi mais demorada. O fim da escravidão, a nossa democracia… Desde que foi proclamada a República, que foi um golpe contra o imperador, os militares sempre tiveram uma interferência na política brasileira”, disse.

    Sem citar nomes, mas lembrando os ataques às sedes dos Três Poderes em 8 de janeiro de 2023, o presidente afirmou que alguns “alguns malandros queriam dar um golpe” de Estado no Brasil.

    “Estamos vivendo o período mais longevo da democracia contínua. Mesmo assim, no dia 8 de janeiro do ano passado, alguns malandros queriam dar um golpe e não deixar que acontecesse os resultados das eleições. Até hoje essas pessoas dizem que as eleições não valeram”, completou o presidente.

    O evento foi organizado pela primeira-dama Rosângela da Silva, a Janja, e a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, na Vila Planalto, bairro da capital federal. O restaurante da “Tia Zélia” é o favorito do presidente e é considerado um dos pontos da esquerda em Brasília.

    Oito das nove ministras mulheres estiveram no almoço. Apenas a ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), não compareceu porque está em viagem.

    Segundo Janja, o pedido para o almoço foi ideia do próprio Lula.