Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula discursa na Assembleia-Geral da ONU nesta terça (19) com foco em Amazônia e vaga no Conselho de Segurança

    Presidente deve abordar em sua fala a necessidade de uma reforma no sistema de governança global e a questão dos membros permanentes do conselho

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) Ricardo Stuckert/PR

    Douglas Portoda CNN*

    em São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) realizará, nesta terça-feira (19), a partir das 10h (de Brasília), o discurso de abertura da 78ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos.

    Entre os temas que devem ser abordados pelo chefe do Executivo está a necessidade de uma reforma no sistema de governança global. Segundo Lula, o modelo que vigora atualmente, criado após a Segunda Guerra Mundial, não representa mais a geopolítica do século 21.

    Outra questão que deve ser levantada são os membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

    “Por que o Brasil não pode entrar? Por que a Índia não pode entrar? Por que a África do Sul não pode entrar? Por que não pode entrar a Alemanha? Por que não pode entrar a Índia? Quem é que disse que os mesmos países que foram colocados lá em 1945 continuem lá?”, questionou Lula durante o “Conversa com o Presidente”, sua live semanal.

    Por Lula é o primeiro a falar?

    O Brasil foi um dos membros fundadores da ONU, em 1945, e é o país que abre os discursos da organização desde 1947. Não há um motivo formal para isso, mas, no meio diplomático, a deferência é ao importante trabalho do diplomata brasileiro Oswaldo Aranha, que presidiu a Assembleia-Geral em 1947.

    Há também a tese de que o Brasil foi escolhido para abrir os trabalhos para evitar tensões entre os Estados Unidos e a então União Soviética, que começavam a ter uma relação conturbada durante a Guerra Fria. O Brasil era um país neutro.

    Outros compromissos

    Antes de sua fala, o presidente se encontrará com o secretário-geral da ONU, António Guterres, às 9h40.

    Veja as outras reuniões bilaterais de Lula no dia:

    • 16h: Alexander Van der Bellen, presidente da Áustria
    • 17h: Olaf Scholz, chanceler da Alemanha
    • 18h15: Jonas Gahr Støre, primeiro-ministro da Noruega
    • 19h: Mahmoud Abbas, presidente do Estado da Palestina e da Autoridade Nacional Palestina

    Lula chegou a Nova York ainda na noite de sábado (16) após participar da reunião de líderes do G77+China, em Cuba. O petista deverá permanecer nos Estados Unidos até quinta-feira (21).

    VÍDEO – Lula tem reuniões bilaterais com autoridades europeias antes de Assembleia da ONU

    Transição energética

    Segundo o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, em entrevista à CNN, Lula fará durante o discurso um chamado para que os países desenvolvidos financiem os esforços para a transição energética.

    “Não é justo que o Brasil e os demais países do Sul Global paguem pela transição. Essa transição deve ser monetizada”, afirmou Silveira.

    A ideia, de acordo com o ministro, é transmitir a mensagem de que a agenda verde contribuirá para a paz.

    “O mundo, especialmente os países desenvolvidos, que já têm qualidade de vida, precisam reconhecer a importância da construção de um mundo de paz. E essa paz há de ser construída a partir da prosperidade dos países em desenvolvimento. E essa ideia de conexão entre os dois temas que venho conversando com o presidente Lula”, citou.

    Silveira está em Nova York, onde lançou no último domingo (17), em evento da ONU, o Programa Nacional de Transição Energética Justa e Inclusiva.

    A investidores estrangeiros, o titular de Minas e Energia falou sobre os planos do governo para promover a descarbonização da economia e destacou a importância da aprovação do projeto de lei do Combustível do Futuro para destravar projetos de biocombustíveis e hidrogênio verde no país.

    Dívida de países ricos

    Ao reforçar a defesa de que os países desenvolvidos devem pagar pelo “desenvolvimento industrial” dos últimos 200 anos, Lula repetirá o que disse durante a Cúpula da Amazônia, em agosto.

    Na ocasião, o presidente afirmou que a dívida dos países ricos, que não estariam cumprindo acordos de financiamento para o desenvolvimento ambiental, supera os US$ 100 bilhões (cerca de R$ 500 bilhões).

    O chefe do Executivo brasileiro deve citar a legitimidade do país para cobrar as nações desenvolvidas.

    Um dos exemplos que devem ser lembrados é a diminuição do desmatamento na Amazônia desde o início do ano em comparação com o mesmo período do ano passado.

    A redução é de 48% de janeiro a agosto, o que permitiu que o Brasil deixasse de emitir quase 200 milhões de toneladas de carbono.

    Reunião com Zelensky

    O Palácio do Planalto informou na última segunda-feira (18) que presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, aceitou a sugestão de horário oferecida por diplomatas brasileiros para uma reunião com Lula.

    CNN noticiou que o presidente brasileiro ofereceu a Zelensky uma abertura de agenda às 16h da quarta-feira (20), após seu encontro com o presidente americano, Joe Biden.

    O pedido oficial para uma reunião bilateral entre Lula e Zelensky às margens da Assembleia-Geral da ONU partiu do lado ucraniano.

    Veja também: Lula e Zelensky vão se encontrar quarta (20) à tarde, em NY

    *Com informações de Renata Agostini e Pedro Teixeira