Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula discutirá com Pacheco escolha de relator para reforma tributária

    Planalto tem preferência para a função os senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Otto Alencar (PSD-BA)

    Expectativa no Palácio do Planalto é de que o assunto comece a ser abordado nesta segunda-feira (10)
    Expectativa no Palácio do Planalto é de que o assunto comece a ser abordado nesta segunda-feira (10) Lula Marques/Agência Brasil

    Gustavo Uribeda CNN

    Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pretende discutir nesta semana com o presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), a escolha do relator da reforma tributária.

    A expectativa no Palácio do Planalto é de que o assunto comece a ser abordado nesta segunda-feira (10), para que o escolhido inicie imediatamente a análise da proposta aprovada, na quinta-feira (6), pela Câmara dos Deputados.

    A intenção do Senado Federal é votar a iniciativa em plenário até o final de setembro. Como há expectativa de mudança no texto, ele precisará retornar para a Câmara dos Deputados.

    Os senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Otto Alencar (PSD-BA) são os favoritos do Palácio do Planalto, segundo relatos de assessores do governo à CNN.

    O senador Davi Alcolumbre (União Brasil- AP) é defendido por lideranças partidárias. A avaliação de assessores do governo, no entanto, é de que ele já esteve sob os holofotes como relator de outras medidas governistas e que, por isso, seria a hora de dar espaço para outros senadores.

    O texto da reforma tributária já tem levado líderes partidários do Senado Federal a discutirem a possibilidade de alterações na proposta.

    Uma delas é a tentativa de retomar incentivos fiscais para montadoras do Norte e Nordeste.

    O trecho foi retirado da reforma tributária por um destaque do PL, de Jair Bolsonaro. E foi retirado pela falta de um voto.

    O episódio irritou Lula, que cobrou inclusive a bancada petista. O presidente já solicitou à base governista do Senado Federal que retome a proposta.

    Outra mudança discutida é a ampliação do número de setores beneficiados com alíquota reduzida.