Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula diz a empresários que quer fortalecer sindicatos

    Petista afirmou que, quando governou o país, atuou com responsabilidade fiscal e que considera importante distribuir o resultado do crescimento do país com a população

    Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)
    Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) 01/06/2022REUTERS/Diego Vara

    Caio Junqueira

    Ouvir notícia

    Fontes da campanha do candidato a presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) informaram à CNN que ele pediu nesta terça-feira (5), durante um almoço com banqueiros e empresários na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que eles tenham compromisso com a democracia.

    O petista teria feito ainda prognósticos do que seria um novo governo seu no aspecto fiscal. Disse que quando governou o país teve responsabilidade fiscal e que se há dúvidas do empresariado quanto ao futuro, basta olhar seus mandatos à frente do Palácio do Planalto.

    Sobre reforma trabalhista, Lula teria dito ainda que pretende empoderar canais para negociações coletivas entre trabalhadores e empresários e fortalecer os sindicatos.

    Alertou ainda que é importante distribuir o resultado do crescimento do país com toda a população. Segundo fontes da campanha, uma alusão a duas políticas que ele pretende retomar: a valorização do salário mínimo e as medidas de transferência de renda.

    O presidente da Fiesp, Josué Gomes da Silva, teria defendido a Lula uma política de fortalecimento da industrialização no país. Disse que a indústria brasileira representa 11% do Produto Interno Bruno (PIB), mas 28% da carga tributária e que ela é fundamental para a geração de empregos. Também sugeriu a redução do custo do financiamento e ampliação dos limites de crédito por meio do fortalecimento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Falou também que hoje o banco atende mais ao agronegócio do que à indústria.

    Lula foi acompanhado do pré-candidato a vice, Geraldo Alckmin (PSB), do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) e do presidente da Fundação Perseu Abramo, Aloizio Mercadante.

    Também participaram do encontro os presidentes do Ciesp, Rafel Cervone; Luis Carlos Trabuco (Bradesco); Carlos Alberto (Beto) Sicupira (Ambev); Luiza Trajano (Magazine Luiza); Dan Iochpe (Iochpe); Jacyr Costa (Conselho Superior do Agronegócio da Fiesp); Fabio Coelho (Google); João Moreira Salles (Itaú); e o ex-diretor geral da Organização Mundial do Comércio Roberto Azevedo.

    Foi a primeira vez que Lula retornou à entidade em mais de dez anos. A última vez foi em novembro de 2011, quando já havia deixado a presidência. Na época, Paulo Skaf era o presidente. Hoje, a Fiesp é presidida por Josué Gomes da Silva, filho de José Alencar, que foi vice-presidente de Lula nos seus dois mandatos.

    O encontro foi extraoficial e não faz parte da série de encontros que a Fiesp fará com presidenciáveis. Lula, portanto, voltará a Fiesp no dia 9 de agosto. Já estão marcados também com Ciro Gomes (PDT) no dia 21 de julho e com Simone Tebet (MDB) no dia 1 de agosto. O presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda não confirmou presença.

    Debate

    CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

    Fotos: Os pré-candidatos à Presidência

    Mais Recentes da CNN