Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula e presidente do PT voltam a criticar a privatização da Eletrobras

    Petistas argumentaram que a desestatização tornará a energia elétrica ainda mais cara

    Júlia Vieirada CNN

    São Paulo

    O pré-candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e a presidente nacional do PT, a deputada federal Gleisi Hoffmann, voltaram a criticar neste sábado (11) a privatização da Eletrobras.

    Nas redes sociais, os petistas argumentaram que a desestatização tornará a energia elétrica ainda mais cara aos brasileiros.

    “Cerca de 33 milhões de brasileiros estão passando fome. As pessoas são obrigadas a escolher entre comprar comida ou pagar a conta de luz, que não para de subir. E o que faz o governo? Privatiza a Eletrobras, para aumentar ainda mais a conta de luz”, escreveu o ex-presidente.

    Com o processo de capitalização, o governo deixará de ser o maior acionista da empresa e passará a ter 45% do capital acionário — antes, a União tinha 72% das ações da companhia.

    Segundo Lula, o governo federal está vendendo a estatal a “toque de caixa e a preço de banana”. “Perder a Petrobrás é aumentar ainda mais a conta de luz, que hoje já pesa não apenas no bolso do trabalhador, mas também no orçamento da classe média”, argumentou.

    Gleisi foi na mesma linha do correligionário. “Tática nefasta de vender ações da Eletrobras até o governo perder o controle da empresa foi o golpe mais baixo que já se viu. O povo tá desempregado, endividado, sem renda, com fome e a preocupação de Bolsonaro e Guedes é com o mercado. Essa dupla é a destruição do Brasil”, comentou a deputada federal.

    A parlamentar ainda publicou um vídeo dizendo que a venda da empresa é um “crime contra o Brasil”. De acordo com Gleisi, o Brasil vai perder o “protagonismo” no setor de energia elétrica e “ficará na mão das empresas privadas”, encarecendo a conta de luz.

    “O que é mais grave é que a venda vai ser por um valor irrisório pelo que vale a empresa. O valor não cobre nem dois anos das emendas parlamentares com orçamento secreto”, comparou Gleisi.

    Fotos – Os pré-candidatos à Presidência