Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mauro Cid chega à PF, em Brasília, para novo depoimento sobre joias negociadas nos EUA

    Interrogatório do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro acontece no mesmo horário que o pai dele, general Mauro Lourena Cid, é ouvido no Rio de Janeiro

    Cid é delator em inquéritos que investigam o ex-presidente Bolsonaro
    Cid é delator em inquéritos que investigam o ex-presidente Bolsonaro Ton Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo

    Elijonas Maiada CNN Brasília

    O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), chegou às 14h50 desta terça-feira (18) à sede da Polícia Federal, na Asa Norte de Brasília, para novo depoimento. Cid chegou pela garagem, acompanhado dos advogados.

    O depoimento marcado pela PF se refere aos inquéritos das joias sauditas. A intenção é que Cid esclareça a descoberta de um novo item de valor que também teria sido negociado ilegalmente.

    A descoberta da transação aconteceu após uma equipe da PF ir aos EUA e, em cooperação com o FBI, colher imagens de negociações envolvendo os acessórios valiosos e atestar a participação de mais uma pessoa no suposto esquema.

    Conforme antecipou a CNN, o militar deve negar que tinha conhecimento de outra joia negociada para venda nos Estados Unidos, segundo interlocutores.

    Mauro Cid deve reforçar à PF o que já vem dizendo nos bastidores a pessoas próximas: que não sabe da existência de nenhuma outra joia além das já devolvidas ao acervo público após a “operação resgate”. Ele deve apontar ainda que “se houver outra joia”, está com “alguém” que ele não sabe quem.

    Cid é delator em inquéritos que investigam o ex-presidente Bolsonaro e tem obrigação de prestar esclarecimentos sempre que os investigadores verem necessidade.

    Rio de Janeiro

    Além dele, o pai, general Mauro Lourena Cid, também presta depoimento no mesmo horário, mas no Rio de Janeiro (RJ).

    O general foi intimado por ser apontado pela PF como alguém que seria o negociador dos bens nos EUA. No governo anterior, ele tinha um cargo na Apex e morava em Miami. A PF apontou que ele recebia os valores das vendas na conta pessoal dele.

    Esses são os últimos pontos para a PF finalizar o inquérito, que deve ser relatado ao Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-presidente Jair Bolsonaro sempre negou estar envolvido em qualquer irregularidade.