Mayra Pinheiro diz que médicos estão sendo perseguidos por quererem salvar vidas

Conhecida como "Capitã Cloroquina, atual secretaria do Ministério da Saúde é investigada pela CPI pelo incentivo de remédios ineficazes.

Secretária do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, é ouvida pela CPI da Pandemia
Secretária do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, é ouvida pela CPI da Pandemia Foto: Jefferson Rudy - 25.mai.2021/Agência Senado

Natália AndréCarla Bridida CNN

Brasília

Ouvir notícia

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, investigada pela CPI da Pandemia pelo incentivo do uso de medicamentos ineficazes contra a Covid-19, fez discurso pela autonomia médica em evento no Ministério da Saúde nesta segunda-feira (18), dizendo que eles estão sendo perseguidos.

Para ela, faz parte da “arte médica” o direito da escolha no tratamento do paciente. “Não sabíamos que teríamos ao longo de uma pandemia o desafio de enfrentar pessoas que não conhecem a arte médica, nada entendem de medicina, e passaram a questionar a nossa autonomia, o direito da nossa relação médico-paciente, o direito das nossas escolhas, o direito de salvar vidas”, disse Mayra.

“Fomos questionados, estamos sendo perseguidos, desafiados a não exercer essa autonomia para a qual nós fomos formados”, completou ela.

Quem reforçou esse discurso, logo depois, foi o próprio ministro Marcelo Queiroga, que disse que a relação médico-paciente tem que ser baseada na autonomia.

“O vínculo médico-paciente é inquebrantável e não pode ser quebrado por quem quer que seja. Nem mesmo o Estado”, refletiu Queiroga no Lançamento do Programa SOS de Ponta – Capacitação nas Urgências e Emergências do Brasil.

Não houve abertura a jornalistas para perguntas.

Mais Recentes da CNN