Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moraes manda PF apreender armas, celulares e passaporte de Zambelli e afasta sigilo bancário

    Mandado foi cumprido no âmbito da operação da Polícia Federal (PF), desta quarta-feira (2), que também prendeu o hacker Walter Delgatti

    Deputada Carla Zambelli (PL-SP)
    Deputada Carla Zambelli (PL-SP) Billy Boss/Câmara dos Deputados - 11.mai.2022

    Da CNN

    O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinou a apreensão de armas, celulares e outros bens, e afastou o sigilo bancário da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP).

    O mandado foi cumprido no âmbito da operação da Polícia Federal (PF), desta quarta-feira (2), que prendeu o hacker Walter Delgatti, conhecido pelo acesso de mensagens da Lava Jato. O objetivo da operação da PF é apurar invasões em sistemas do Poder Judiciário.

    A decisão de Moraes foi assinada em 1º de agosto e estava em sigilo. Depois das diligências, o ministro tornou público o documento.

    “O ministro Alexandre de Moraes, relator, nos termos dos artigos 240 a 250 do Código de Processo Penal e da decisão proferida nos autos em epígrafe, manda o Departamento de Polícia Federal – DPF proceder à busca e apreensão de armas, munições, computadores, tablets, celulares e outros dispositivos eletrônicos, passaporte, bem como de quaisquer outros materiais relacionados aos fatos investigados”, escreve o mandado contra Zambelli.

    Foram indicados três endereços da deputada: uma residência e seu gabinete, em Brasília, e outro endereço em Mairiporã, no interior de São Paulo.

    Além disso, Moraes também autorizou a PF a verificar a existência de “eventuais cômodos secretos ou salas reservadas” nos endereços.

    Moraes também autorizou os agentes a terem acesso e a analisarem o conteúdo do que foi apreendido, como dados, arquivos eletrônicos, mensagens eletrônicas e e-mails, que estejam armazenado em computadores, servidores, redes, “inclusive serviços digitais de armazenamento em nuvem”.

    Veja também: Quem é Delgatti, o “hacker da Vaza Jato”, preso nesta quarta-feira (2)

    O ministro ainda afastou o sigilo bancário de Zambelli, referente ao período de junho de 2022 a junho de 2023.

    O mandado assinado por Moraes também afirma que a “autoridade policial responsável pelo cumprimento dos mandados deverá evitar a exposição indevida, especialmente no cumprimento da medida, abstendo-se de toda e qualquer indiscrição, inclusive midiática; ficando ao seu critério a utilização ou não de uniforme e respectivos armamentos necessários à execução da ordem”.

    Zambelli e hacker são alvos da Operação 3FA

    A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira (2), a Operação 3FA “com o objetivo de esclarecer a atuação de indivíduos na invasão aos sistemas do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e na inserção de documentos e alvarás de soltura falsos no Banco Nacional de Mandados de Prisão (BNMP)”.

    Foi preso hacker Walter Delgatti, que ficou conhecido pela chamada “Vaza Jato”, com o acesso de mensagens de procuradores da Operação Lava Jato.

    Além do mandado de prisão preventiva contra Delgatti, estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em São Paulo e no Distrito Federal.

    Veja também: Basília Rodrigues: PL racha por apoio a Carla Zambelli

    Os crimes investigados pela PF ocorreram entre os dias 4 e 6 de janeiro de 2023, quando teriam sido inseridos no sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e, possivelmente, de outros tribunais pelo país, 11 alvarás de soltura de indivíduos presos por motivos diversos, além de um mandado de prisão falso contra o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

    De acordo com a PF, as inserções fraudulentas ocorreram após invasão criminosa aos sistemas em questão, com a utilização de credenciais falsas obtidas de forma ilícita, conduta mediante a qual o(s) criminoso(s) passaram a ter controle remoto dos sistemas.

    “Em prosseguimento às ações em defesa da Constituição e da ordem jurídica, a Polícia Federal está cumprindo mandados judiciais relativos a invasões ou tentativas de invasões de sistemas informatizados do Poder Judiciário da União, no contexto dos ataques às instituições”, escreveu nas redes sociais o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino.

    A assessoria de Carla Zambelli informou à CNN que a deputada federal não irá se manifestar sobre o episódio.

    Em entrevista à CNN, o advogado Ariovaldo Moreira, que representa Walter Delgatti Neto, manteve a versão dada pelo hacker no depoimento à PF de que a invasão ao sistema do CNJ foi feito a pedido de Zambelli.

    Segundo Moreira, não há negociação de delação premiada em andamento. Porém, afirmou que o cliente tem predisposição de colaborar com a Justiça para “trazer até as autoridades o que realmente aconteceu, quem são as pessoas envolvidas, qual é a participação dele e dessas outras pessoas”.

    “Ele fez isso [invasão], e fez isso a mando de Carla Zambelli. Ele é réu confesso e vai responder pelo crime, tem ciência do que ele fez e quer colaborar com as investigações para que se chegue ao que realmente aconteceu”, pontuou.

    Questionado, Moreira não especificou quem seriam as outras pessoas envolvidas, destacando que Walter Delgatti pode dar novos depoimentos às autoridades nos próximos dias.
    Publicado por Léo Lopes, com informações de Thais Arbex e Lucas Mendes, da CNN

    Veja também: Em entrevista à CNN, Walter Delgatti disse que Lava Jato queria prender Gilmar Mendes e Toffoli