Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moraes nega pedido da PF para suspender mandato de Ramagem

    Ministro acompanhou entendimento do procurador-geral da República, Paulo Gonet, de que as acusações são "graves", mas não são "contemporâneas" o suficiente para justificar a medida

    Raquel Landimda CNN

    São Paulo

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido da Polícia Federal (PF) para afastar temporariamente do mandado o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ)

    Ele acompanhou o entendimento do procurador-geral da República, Paulo Gonet, de que as acusações são “graves”, mas não são “contemporâneas” o suficiente para justificar a medida, que seria uma séria interferência no legislativo.

    A PF argumentava que Ramagem pode utilizar sua posição como parlamentar para solicitar informações sigilosas da operação. Moraes decidiu então que qualquer requerimento do parlamentar sobre o caso deva ser submetido a ele antes de ser aprovado.

    Conforme antecipado pela CNN, a decisão de Moraes confirma que a PF tem evidências de que Ramagem teria chancelado os monitoramentos ilegais feitos pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). Ele é incluído pelos investigadores no primeiro núcleo da organização criminosa — chamado de “alta gestão”.

    Outra evidência é que Ramagem interferiu nas apurações disciplinares e anulou as demissões de dois servidores envolvidos nas escutas ilegais e nos monitoramentos de opositores do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) feitos pela Abin: Rodrigo Colli e Eduardo Izyki.

    Procurada pela CNN, a defesa do deputado disse que, por ora, não vai se manifestar.