Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Na posse de Barroso, PGR interina elogia Rosa Weber por “defender democracia e suas instituições” no STF

    Elizeta Ramos discursou durante cerimônia de posse do ministro Luís Roberto Barroso como presidente do STF nesta quinta-feira (28)

    Procuradora-geral da República interina, Elizeta Ramos
    Procuradora-geral da República interina, Elizeta Ramos Reprodução/ TV Justiça

    Fernanda Pinottida CNN

    em São Paulo

    A procuradora-geral da República interina, Elizeta Ramos, homenageou a ministra Rosa Weber por “defender a democracia e suas instituições” durante seu mandato como presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).

    “Receba nosso reconhecimento por ter sido a mulher à frente do STF defensor do Estado Democrático de Direito”, disse Ramos na posse do ministro Luís Roberto Barroso como presidente do STF nesta quinta-feira (28).

    Barroso substitui Rosa Weber à frente da Corte para um mandato de dois anos. A ministra se aposenta ao atingir a idade-limite de 75 anos na próxima semana.

    “Em nome da Procuradoria-Geral da República, quero saudar o novo presidente dessa Corte Suprema e que muito nos honra, dada sua vocação humanista, sua experiência nas altas cortes, seu preparo acadêmico, e sua firme e gentil liderança, já provada em outras ocasiões, como fez a frente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, disse Ramos.

    Elizeta Ramos assumiu a PGR de maneira provisória na quarta-feira (27), em razão do fim do mandato de Augusto Aras e a indefinição com relação ao nome que será indicado para o cargo pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

    Leia parte do discurso da procuradora-geral da República abaixo, no qual ela destacou o papel do Ministério Público:

    “Conte com uma atuação socialmente efetiva do Ministério Público, que se traduz no combate a crimes que extraem recursos que deveriam ser destinados à educação, saúde e segurança, que se traduz na fiscalização de leis que efetivamente promovam equidade de gênero nas relações políticas e trabalhistas, que se traduz na defesa das minorias, dos povos indígenas, no meio ambiente sustentável, da vida e das liberdades básicas, de nossa democracia, entre tantos outros.

    Conte com o Ministério Público que também age preventivamente, extrajudicialmente, pois justiça, de igual forma se faz, por meio do diálogo e da mediação.

    Por fim, conte com o Ministério Público que vela pelas garantias expressas na lei, visto que não nos cabe outra submissão a não ser aos preceitos constitucionais e aos demais dispositivos legais que a todos alcançam. Sejam réus, vítimas, testemunhas, todos estão cobertos por direitos e deveres.”

    Veja também: Barroso assina termo de posse como presidente do STF e CNJ