Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Paulo Guedes, Queiroga, Augusto Heleno e outros ministros do governo Bolsonaro são exonerados

    Decretos do dia 31 de dezembro assinados por Hamilton Mourão foram publicados na edição do Diário Oficial da União (DOU) deste domingo (1º)

    Ana Patrícia AlvesLéo Lopesda CNN

    em Brasília e São Paulo

    Paulo Guedes, Marcelo Queiroga, Augusto Heleno e uma série de outros ministros do governo Bolsonaro foram oficialmente exonerados de seus cargos.

    As exonerações foram decretadas neste sábado (31) pelo então presidente em exercício, Hamilton Mourão (Republicanos), e publicadas na edição do Diário Oficial da União (DOU) deste domingo (1º).

    Entre os ministros exonerados estão alguns dos principais nomes que acompanharam o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ao longo de seu governo, como o ministro da Economia, Paulo Guedes, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga e o general Augusto Heleno, ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência.

    Também foram exonerados Wagner Rosário, da Controladoria-Geral da União (CGU), Carlos França, do Itamaraty, Adolfo Sachsida, de Minas e Energia, Joaquim Leite, do Meio Ambiente, Anderson Torres, da Justiça, Victor Godoy, da Educação, Paulo Sérgio Nogueira, da Defesa, Bruno Bianco, do cargo de Advogado-Geral da União (AGU) e Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria-Geral da Presidência.

    Veja abaixo a lista completa de ministros cujas exonerações foram publicadas no DOU deste domingo (1º).

    Ministros de Bolsonaro exonerados

    • Luiz Eduardo Ramos: secretário-geral da Presidência
    • Bruno Bianco: advogado-geral da União (AGU)
    • Augusto Heleno: ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência
    • Marcos Montes Cordeiro: ministro da Agricultura
    • Ronaldo Vieira Bento: ministro da Cidadania
    • Paulo César Rezende: ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações
    • Paulo Sérgio Nogueira: ministro da Defesa
    • Paulo Guedes: ministro da Economia
    • Victor Godoy: ministro da Educação
    • Anderson Torres: ministro da Justiça
    • Joaquim Leite: ministro do Meio Ambiente
    • Adolfo Sachsida: ministro de Minas e Energia
    • Marcelo Sampaio Cunha: ministro da Infraestrutura
    • Cristiane Rodrigues Britto: ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos
    • Carlos França: ministro das Relações Exteriores 
    • Marcelo Queiroga: ministro da Saúde
    • José Carlos Oliveira: ministro do Trabalho e Previdência
    • Carlos Alberto Gomes de Brito: ministro do Turismo
    • Wagner Rosário: ministro da Controladoria-Geral da União (CGU)

    Foram publicadas ainda as exonerações do secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Pacheco dos Guaranys, e do assessor especial de Estudos Econômicos do Ministério da Economia, Rogério Boueri Miranda.

    Na última sexta-feira (30), antes de viajar aos Estados Unidos, Jair Bolsonaro já havia exonerado alguns nomes de seu governo, como o então ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira e Daniel de Oliveira, do Desenvolvimento Regional.

    Também no dia 30, Bolsonaro exonerou os comandantes da Marinha e da Força Aérea Brasileira para que os escolhidos do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pudessem assumir seus cargos.

    Após 12 anos e depois de ter ficado preso por 580 dias, Lula volta à Presidência

    Luiz Inácio Lula da Silva (PT) toma posse neste domingo (1°) como presidente da República pela terceira vez. Agora, terá o ex-adversário político Geraldo Alckmin (PSB) como vice-presidente.

    Após 12 anos, o petista volta a comandar o país, após organizar uma frente ampla para disputar as eleições 2022. Ele venceu Jair Bolsonaro (PL) na disputa mais acirrada desde a redemocratização.

    Diversos chefes de Estado ou governo vão comparecer à posse, incluindo representantes de Estados Unidos, Alemanha, Argentina, Bolívia, Portugal, Uruguai, Espanha, Venezuela e outras autoridades.