PEC da Imunidade dá impressão de que Congresso quer se blindar, diz advogado

Especialista defende que assunto não deveria ser debatido com pressa pelos parlamentares

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

A rapidez com que o Congresso Nacional quer votar a “PEC da Imunidade” levanta desconfianças de que seja uma maneira de os parlamentares “se blindarem”, explica o advogado em Direito Eleitoral Renato Ribeiro de Almeida. 

“Outras PECs demoram anos. Esta está sendo colocada em votação muito rapidamente. Todo país democrático tem a imunidade parlamentar garantida, mas do jeito e com a pressa que está sendo colocada, esse processo está sendo entendido como uma forma de impunidade pela população”, explicou.

“Essa PEC tem outros pontos questionáveis, como a interferência na Lei da Ficha Limpa, uma modificação que está bem sutil, no artigo 14. Antes, o político processado na Câmara e no Senado, quando poderia ter o mandato cassado, renunciava e o processo era arquivado. Hoje com a Lei da Ficha Limpa, tendo uma representação contra si no Conselho de Ética, mesmo que renuncie, fica inelegível. Com essa PEC, isso volta para trás”, conta.

O deputado federal Daniel Silveira
O deputado federal Daniel Silveira
Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Ele defende que o tema seja tratado com calma. “A gente tem que debater, mas não com atropelo. Sempre que tem um problema, que um parlamentar é preso se tem essa discussão. Dá a impressão que o Congresso, na verdade, está tentando se blindar. Até estudiosos do direito entendem como uma tentativa infeliz de gerar impunidade ou tentativa de impunidade”. 

(Publicado por Sinara Peixoto)

Mais Recentes da CNN