Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    PF prende ex-deputado Wladimir Costa por violência política contra parlamentar

    Ex-parlamentar foi preso hoje no aeroporto de Belém; ele ficou conhecido por tatuar, em 2017, o nome do então presidente Michel Temer

    Elijonas Maiada CNN

    Brasília

    A Polícia Federal (PF) prendeu o ex-deputado federal Wladimir Costa, conhecido como Wlad, no início da manhã desta quinta-feira (18), no Aeroporto Internacional de Belém (PA). Segundo a PF, a prisão é pela prática de violência política.

    Os agentes da PF abordaram o ex-parlamentar ao chegar de voo à capital paraense. Ele já foi encaminhado ao sistema prisional do estado.

    A prisão preventiva requerida pela Polícia Federal foi deferida em razão da prática reiterada, entre outros, dos crimes eleitorais de violência política praticados contra a deputada federal Renilce Nicodemos (MDB-PA) nas redes sociais.

    Segundo o inquérito da PF, o ex-deputado proferiu xingamentos contra a parlamentar, mas também fez música contra ela, espalhou faixas pelas ruas de Belém e até contratou carro de som para proferir palavrões contra a deputada. Em lives na internet, o ex-parlamentar também sugeriria que os seguidores a apedrejassem.

    A decisão judicial também ordenou a exclusão das postagens nas redes sociais que motivaram o mandado de prisão.

    Quando era parlamentar, Wladimir ficou conhecido por tatuar, no ombro, o nome do então presidente Michel Temer (MDB), em 2017. O deputado apareceu com a tatuagem – e uma bandeira do Brasil – quando estava sem camisa em Salinópolis (PA), durante a entrega de caminhões de coleta de lixo. Ele teve o mandato cassado no fim daquele ano.

    A CNN procurou a defesa do ex-deputado e aguarda retorno.

    Já deputada Renilce Nicodemos agradeceu ao trabalho feito pela Polícia Federal.

    “Há seis meses que venho sendo vítima de toda sorte de crimes por parte do cidadão acima mencionado, motivo pelo qual decidimos por não ir ao campo do debate público e defender o direito à minha intimidade no Poder Judiciário. Com isso, oferecemos notícia crime à Justiça Eleitoral, que ensejou na instauração de inquérito na Polícia Federal que descambou na operação realizada na data de hoje”, disse ela à CNN.

    “Me manifesto agradecendo muito o trabalho das autoridades e depositando minha inteira confiança na Polícia Federal e na Justiça Eleitoral que compreenderam a importância de se atuar com firmeza nesse caso”, finalizou a deputada.