Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Podemos chegar a até 8.000 policiais para garantir a posse, diz Flávio Dino à CNN

    Em entrevista exclusiva, futuro ministro da Justiça afirmou haver planejamento com a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, as Forças Armadas e o Governo do Distrito Federal

    Douglas Portoda CNN*

    em São Paulo

    O futuro ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), declarou, nesta terça-feira (27), em entrevista exclusiva à CNN, que até 8.000 policiais podem ser acionados para garantir a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no próximo domingo (1º).

    “Nós temos várias alternativas de planejamento que serão decididas no dia, à luz do contexto concreto. Temos uma avaliação permanente em relação a esse planejamento, não só com a Polícia Federal, mas com a Polícia Rodoviária Federal e as próprias Forças Armadas”, explicou Dino.

    “E, com muita eficiência e com muita presença, quero agradecer ao Governo do Distrito Federal. Estamos falando de milhares de policiais que estarão em vários círculos ao redor dos locais em que ocorrerão os eventos. E esse número pode ser ampliado de acordo com a necessidade. Nós temos efetivos do GDF que estão 100% à disposição, segundo o governador Ibaneis [Rocha]. Então podemos chegar até 8.000 policiais se necessário for”, continuou.

    Segundo Dino, está acontecendo uma tentativa de terrorismo psicológico nas ações realizadas no Distrito Federal dias antes da posse. Como, por exemplo, a prisão de um homem no sábado (24) por suspeita de ter colocado um explosivo no Aeroporto Internacional de Brasília.

    “Há um trabalho também de terrorismo psicológico. Nenhuma tentativa de crime foi bem sucedida. Nós não podemos ter dúvidas. Teremos milhares de agentes das forças policiais. O terrorismo psicológico tenta desafiar a democracia. Podemos garantir a posse de acordo com a soberania”, cita o ex-governador do Maranhão.

    Conforme fala do futuro ministro em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, não haverá vácuo na área de segurança entre os governos do presidente Jair Bolsonaro (PL) e Lula.

    “Não haverá vácuo. Eu e o ministro [da Defesa, José] Múcio estaremos mobilizados desde as primeiras horas do dia 1º. Não haverá nenhum período em que existirá um vazio na área da Segurança, da Defesa”, citou Dino.

    (*Com produção de Gustavo Uribe, da CNN)